Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Salomé da Osesp: finalmente, ópera com cantores de verdade (1/9/2008)
Por Irineu Franco Perpetuo

No Brasil, o nível dos elencos de ópera tem oscilado entre o "interessante" (com muitas aspas e boa vontade) e o irritante (sem aspas, sem afinação, sem volume). Quando aparece um time excepcional de cantores, de vozes completamente adequadas para os papéis para os quais foram escalados, a gente até estranha. E foi esse delicioso estranhamento que a Osesp causou com sua recente "Salomé", de Richard Strauss, semi-encenada na Sala São Paulo.

Semi-encenada, porque o maestro John Neschling, não contente em reger o espetáculo, ainda salpicou alguns elementos visuais, como figurinos, efeitos de luz, uma projeção da lua e o melhor achado de todos -o rebaixamento do elevador do piano, para que Jochanaan pudesse imprecar das profundezas contra as imoralidades da corte do rei Herodes.

A solução híbrida funcionou perfeitamente, e tirou o aspecto de monotonia que é o risco de toda ópera em versão de concerto. Em cima do palco, a Osesp exibiu uma sonoridade luxuriante, rica em contrastes, e com uma atenção inteligente aos clímaxes da partitura. Pena, apenas, que, encantado com os sons que vinham da sua orquestra, Neschling não tenha domado seu volume, que, por vezes, encobriu as excepcionais vozes dos solistas, penalizando especialmente Thomas Moser, um Herodes de timbre belo, emissão bem cuidada e fraseado refinado.

O excesso de volume orquestral, de qualquer forma, não chegou a roubar a magia de um espetáculo amplamente dominado pela Salomé de Susan B. Anthony, que se mostrou completamente senhora de sua parte, com grande poder de mudar o colorido da voz de acordo com as necessidades dramáticas da partitura.

Também não houve como não se encantar com o absoluto comando do palco e dignidade de Gabriele Schnaut, uma Herodíade de vocalidade uniforme e sólida, e com o imponente Jochanaan de Alan Titus, cuja maldição contra Salomé certamente ainda ressoa na memória de todos que estiveram na Sala São Paulo nesta semana.

Cantores assim a gente não ouve por aqui todo dia - infelizmente. Depois da excepcional "Salomé" - não apenas no bom sentido do alto nível, mas também no mau sentido da exceção -, vai ser bem difícil voltar à rotina dos elencos com mais boa vontade do que talento que têm sido a regra por aqui. Quem sabe um dia começam a convidar para as nossas óperas cantores que realmente dêem conta de suas partes. Ou, simplesmente, resolvam escolher títulos que tenham papéis adequados às vozes disponíveis por aqui. Enquanto não chega o momento do bom senso, haja boa vontade!





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
17/1/2018 - Duo Roberto Taufic - violão e Gabriele Mirabassi - saxofone

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046