Banner 180x60
Boa tarde.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Minas Gerais faz história (27/2/2014)
Por Nelson Rubens Kunze

Não é de hoje que Minas Gerais chama a atenção por um dos mais consistentes projetos orquestrais brasileiros dos últimos anos. Esqueça modelos estatais antiquados, fundações públicas emperradas, organizações sociais de fachada, legislações que de tão detalhadas e “bem-intencionadas” já ficam ultrapassadas no dia seguinte de sua aprovação, e outras mazelas de nossa gestão cultural pública (tenho certeza de que você, na cidade em que estiver deste nosso grande Brasil, sabe do que estou falando). Não! Os nossos irmãos mineiros, com o tradicional bom senso que os caracteriza, escolheram o caminho mais curto, econômico e eficiente.

Em 2007, Minas Gerais criou, a partir de uma moderna estrutura de gestão – uma Oscip, entidade privada sem fins lucrativos, que, obedecendo a um contrato de gestão, presta serviço ao estado –, a Filarmônica de Minas Gerais, que, dirigida pelo maestro Fábio Mechetti, logo entrou para a lista das “top five” da música clássica nacional.

E veja agora o que se passa na bonita Belo Horizonte: até o fim deste ano, o governo Antônio Anastasia promete entregar, pronta e equipada, a Sala Minas Gerais, belíssima e moderna sala de concertos para 1400 espectadores, sede própria da Filarmônica de Minas Gerais. Ela, como a orquestra, também será gerida pelo Instituto Cultural Filarmônica, e fará parte da Estação da Cultura Presidente Itamar Franco, um complexo cultural que abrigará ainda a Rede Minas de Televisão e a Rádio Inconfidência (emissoras públicas daquele estado). Ou seja, os mineiros estão fazendo história!


Maquete da Estação da Cultura Presidente Itamar Franco [Foto: Revista CONCERTO]

Ressabiado com tanta notícia boa, resolvi tomar o avião e investigar as informações in loco. E não é que é verdade? A obra da nova Sala Minas Gerais está a pleno vapor com entrega prevista para o próximo dia 31 de outubro (o prédio anexo da Rede Minas tem prazo um pouco maior, 31 de dezembro). Com isso, conforme Diomar Silveira, presidente do Instituto Filarmônica, haverá tempo para a mudança da orquestra e para a “afinação” da sala, possibilitando já a temporada de 2015 no novo endereço.

Durante a visita às obras, guiada pela arquiteta Jô Vasconcellos – que, ao lado de Rafael Yanni, é autora do projeto –, pudemos caminhar por diversas lajes já finalizadas, visualizar palco e plateias e a concretagem dos pilares que sustentarão a cobertura. O complexo todo tem um investimento de R$ 140 milhões do governo do Estado de Minas Gerais, e está sendo erguido sobre uma área de 14 mil m², no Barro Preto, centro de Belo Horizonte. Pela ambição do projeto arquitetônico e acústico – este sob responsabilidade de José Nepomuceno – não tenho dúvidas de que a Sala Minas Gerais entrará na disputa de melhor teatro sinfônico do país.


Obras da Sala Minas Gerais, em 25 de fevereiro de 2014 [Foto: Revista CONCERTO]

Para arrematar a visita a Belo Horizonte, ainda aproveitei para assistir ao concerto inaugural da temporada 2014 da Filarmônica de Minas Gerais, levado a cabo no Palácio das Artes. Com o teatro lotado – a Filarmônica vendeu mais de 2.200 assinaturas das 2.900 disponíveis em suas duas séries de concertos! –, o regente associado Marcos Arakaki conduziu a orquestra na obra Museu da Inconfidência, de Guerra-Peixe, no Concerto para piano nº 24 de Mozart (tendo como solista a virtuose coreana Joyce Yang), e na Quinta Sinfonia de Tchaikovsky.

Programa criterioso, maestro competente (o talentoso Arakaki é dono de um estilo sóbrio e preciso, foi sensível no acompanhamento da solista e fez uma bela e orgânica leitura da sinfonia russa) e solista de primeira categoria (a jovem Joyce Yang é detentora da Medalha de Prata do Concurso Van Cliburn 2005): como disse, brincando, o spalla da filarmônica ao me ver nas coxias do Palácio das Artes: “Deve ser difícil para os paulistas aceitarem que a melhor orquestra do Brasil toca em Belo Horizonte!”.

Viva a Filarmônica de Minas Gerais!

[Nelson Rubens Kunze hospedou-se em Belo Horizonte a convite do Instituto Cultural Filarmônica]

[Leia aqui a notícia do lançamento do projeto da Sala Minas Gerais, feito em 2011]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046