Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Não é 51, mas é uma boa, ótima ideia (12/3/2014)
Por João Marcos Coelho

O pianista Jeremy Denk toca a monumental Sonata Concord, de Charles Ives, em recital na Sala São Paulo no dia 30 de abril próximo. E, menos de dois meses depois, ele estreia como diretor musical do 68º Ojai Music Festival, que se realizará entre 12 e 15 de junho naquela pequena cidade californiana de 7.500 habitantes; e também do 4º Ojai North Festival, entre 19 e 21 de junho. Inquieto e provocador, Denk já programou a sua estreia como libretista de uma ópera cômica com música de Steven Stucky baseada em... O estilo Clássico, o fundamental livro escrito pelo pianista Charles Rosen, de leitura obrigatória para músicos e estudantes de música. O pianista descreve a ópera como “uma carta de amor a Mozart, Haydn e Beethoven, e uma sátira da pompa clássica”.

Ele também vai fazer a integral da obra para violino e piano de Ives, e tocará Ligeti/Beethoven, uma junção que ele já fez em uma gravação sensacional para a Nonesuch.


Jeremy Denk com uma partitura dos Estudos de György Ligeti [foto: Michael Wilson/divulgação]

Dá uma vontade danada de estar em Ojai, em junho, para assistir a essa estreia mundial. Mas este festival merece elogios também por outro motivo. O evento convida a cada ano um diretor musical diferente – e assim cada edição tem um ineditismo e enfoques totalmente diversos entre si. O festival nasceu em 1947. E de lá para cá já teve – tá sentadinho aí na sua cadeira? – nomes como Stravinsky, Boulez, Lukas Foss, Michael Tilson Thomas, Simon Rattle, Kent Nagano, Oliver Knussen, John Adams, Pierre-Laurent Aimard, Mitsuko Uchida, Dawn Upshaw, entre muitos outros nomes expressivos (dê uma sapeada no site: www.ojaifestival.org).

É, com certeza, a melhor maneira de impedir o engessamento de um festival de música. E pode ainda ser uma boa estender o comportamento a entidades como orquestras sinfônicas. Já pensaram como seria interessante termos compositores e músicos como Nelson Freire e Antonio Meneses como diretores musicais de ao menos uma série de concertos ao longo de uma temporada musical sinfônica?

O que é bom para Ojai pode, de repente, ser um tônico rejuvenescedor para a nossa convencionalíssima vida musical.

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046