Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 11 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Por que ouvir música nova? (8/9/2008)
Por Leonardo Martinelli

Já é uma tradição paulistana: todo ano, no segundo semestre, alguns palcos da cidade cedem seu espaço para o Festival Música Nova, que junto com a Bienal de Música Brasileira Contemporânea (Funarte-Rio) e a Bienal de Música Eletroacústica de São Paulo, é um dos eventos fundamentais para a realização de música nova no país. Em sua 43ª edição, o evento traz este ano vários concertos que prometem propiciar a seu público o contato com o que há de mais novo realizado nos últimos tempos.

A cada ano, às vésperas do Festival, tem sido cada vez mais comum me procurarem pedindo indicações dos melhores concertos. Nesta edição fazer uma pré-seleção é uma tarefa ingrata, pois vários são os eventos que "prometem": Sciarrino, Ferraz e os ensembles Percorso, S:I.C. e Espai Sonor são apenas alguns dos muitos de uma lista que, por fim, englobaria o evento todo.

Porém, tão comum quanto o pedido de indicações, é eu ter que responder à pergunta "por que ouvir música nova?" e variações sobre ela. Minha maneira fácil de respondê-la é um simples "porque é legal", mas raramente meus interlocutores se deixam convencer pelo meu laconismo informal. Então, é quando tenho que evocar meus supostos dons retóricos para responder a esta inocente pergunta.

"Por que ouvir música nova?"

Porque é uma música freqüentemente bela.
Porque é uma música instigante e desafiadora.
Porque é a música de nosso tempo (e, particularmente, acho importante vivermos o tempo em que vivemos, inclusive musicalmente).
Porque eu quero saber/ouvir o que pensam/compõem os compositores de nosso tempo.
Porque é interessante testemunharmos um repertório que ainda não passou pelo julgamento estético-histórico (e assim tirar minhas próprias conclusões antes que os outros imponham as suas).
Porque, se o deslumbramento é um dos principais prazeres que a arte pode proporcionar, a novidade a pré-condição para isto.
Porque é uma música que exige uma escuta ativa, fundamental para não nos acomodarmos no sedentarismo estético vigente nas práticas musicais da atualidade.
Porque é ouvindo a música do presente que podemos ouvir a música do passado de forma madura.
Porque entrar em contato com novas formas de expressão é fundamental para apurarmos nossa percepção e fruição artística.
Porque é uma fina iguaria frente ao arroz-com-feijão cotidiano, e assim deve ser degustado.

Convencido? Espero que não. Então, prove por si mesmo!

Serviço:
43º Festival Música Nova
Em São Paulo e Santos, de 4 de setembro a 4 de outubro
Veja a programação completa clicando aqui.
Ou acesse o site do Festival Música Nova:
http://www.festivalmusicanova.com.br





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Orquestra Sinfônica de Santo André

Rio de Janeiro:
14/12/2017 - Orquestra Sinfônica da UFRJ e Coral Brasil Ensemble - UFRJ

Outras Cidades:
16/12/2017 - Tatuí, SP - Orquestra Jovem do Estado de São Paulo
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046