Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Heller-Lopes dirige “Eugene Onegin” em Salzburg (31/3/2014)
Por Klaus Billand

Após a sua exitosa e pouco convencional Tosca de 2010 no Landestheater de Salzburg (leia a crítica da montagem aqui), André Heller-Lopes volta a chamar a atenção em uma nova montagem da ópera Eugene Onegin, no mesmo palco. O seu entendimento bem como a transposição cênica e dramatúrgica do Eugene Onegin em Salzburg deixou claro por que Tchaikovsky chamou sua obra prima de “cenas líricas em três atos” e não de “ópera”. Logo de início, fortes cores em contraponto com a vivacidade dançante folclórica caracterizam a arte popular da pátria do avô do diretor. Para Heller-Lopes, o destino do protagonista está no centro da montagem, exatamente como o queria o próprio Tchaikovsky. A ele interessava a vida interior de seus anti-heróis, seus sentimentos, dores e saudades, mesmo em um contexto predominantemente biográfico.


Eugene Onegin do Landestheater Salzburg [fotos: divulgação/LT Salzburg/Christina Canaval]

Assim, Heller-Lopes contrapõe o idílio ingênuo e alegre da vida rural despreocupada de Njanja de Pushkin – e coreografada exemplarmente por Alexander Korobko – em cores primaveris e figurinos coloridos (Nicole von Graevenitz) à profunda tristeza da cena do duelo, levada em tons cinza claros, e à grotesca alta sociedade em torno do Príncipe Gremin, engessada em movimentos ritualizados, esta, por sua vez, em uma rigorosa estética preto e branca.

Para o diretor, em Eugene Onegin a alegria e a tristeza, a paixão e a perplexidade, as cores da juventude e a desolação da vida social desalmada são colocadas lado a lado, com a mesma importância. Assim, nesta produção todas as “cenas líricas” desenvolvem intensamente suas próprias potencialidades, com uma vida interior perfeitamente compreensível. Bizarrice e um certo surrealismo já sempre foram marcas características das criações de Heller-Lopes e são também aqui empregados, de forma consciente e pertinente, nos cenários de Karl-Heinz Steck.


Cena do Eugene Onegin dirigido por André Heller-Lopes, no Landestheater de Salzburg

Com uma ótima direção de atores, Heller-Lopes logra impressionantes e convincentes estudos de caráter, que alcançam também os papeis secundários, como por exemplo o Triquet de Franz Supper. A muito jovem e linda russa Zhala Ismailova canta e interpreta uma no início ingênua e espontaneamente apaixonada Tatjana, que no fim – amadurecida dama, mas jovem em seu âmago – compreende toda a tragédia da situação, conduzindo enfaticamente a trama. Sua voz cristalina de soprano, fresca e de alturas seguras, não poderia ser mais adequada para este papel. Em perfeita complementaridade vocal e teatral, a jovem mezzo soprano norte-americana Emily Righter, de voz sonora e maleável, faz uma Olga obsessivamente animada e algo imprudente. O bom elenco feminino é completado homogeneamente pela Larina do sonoro timbre de Frances Pappas e pela igualmente bela voz de Anna Maria Dur como Filipjewna.


Cena do Eugene Onegin dirigido por André Heller-Lopes, no Landestheater de Salzburg

O também jovem Simon Schnorr é um Onegin extremamente autêntico, que não apenas sabe construir todas as alturas e profundidades deste complexo papel, como também convence como um barítono claro, conciso e de pronúncia articulada. Visualmente é perfeito para o papel. O russo Sergey Romanovsky apresenta o Lensky do início como um perdedor triste, depressivo. Sua voz de tenor tem até uma certa faceta heroica e facilidade na tessitura aguda; não tem, contudo, a desejável calidez sonora e nem muita ressonância.

O bielorusso Alexey Birkus, transformado em velho de modo pouco crível, interpreta Gremin com voz de baixo sonora e bem articulada, bem como com expressão soberana. Já o coro e o coro extra do Landestheater Salzburg, preparados por Stefan Müller, impressionam pelo fraseado preciso e som transparente em coreografias de muita movimentação.


Cena do Eugene Onegin dirigido por André Heller-Lopes, no Landestheater de Salzburg

O maestro Leo Hussain e a Orquestra Mozarteum Salzburg fizeram soar um Tchaikovsky intenso, impulsivo e em perfeita sintonia com as fortes emoções do palco. A noite esteve impregnada de dinâmica musical, algumas vezes a orquestra pareceu um pouco alta demais, ao menos para quem estava sentado na plateia. Afinal de contas, a excelente Orquestra Mozarteum já deu provas de sua qualidade em teatros com dimensões muito maiores.

[Klaus Billand assistiu à récita do dia 5 de março. Reprodução autorizada pelo autor do texto originalmente publicado no site Online Merker, Áustria.]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Klaus Billand - é jornalista da revista de ópera austríaca Der Neue Merker, de Viena. (www.klaus-billand.com)

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

22/2/2018 - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Rio de Janeiro:
20/2/2018 - Adriana Ballesté - violão

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046