Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
“Ifigênia em Táuris” homenageia 300 anos de Gluck (27/5/2014)
Por Nelson Rubens Kunze

Estreou na última sexta-feira (dia 23 de maio), no Theatro São Pedro, a ópera Ifigênia em Táuris, de Christoph Willibald Gluck. Possivelmente a principal homenagem no Brasil ao compositor que neste ano completa 300 anos, o título seguiu o bom padrão de produção que o teatro tem apresentado em suas últimas montagens, ainda que o resultado artístico não tenha alcançado o mesmo nível.

Está certo que os conflitos humanos expressos na mitologia grega são universais e atemporais, e que a ideia de uma “atualização” cronológica – como muitas vezes tem sido feita em encenações contemporâneas – pode ser bem estimulante. Mas a solução cênica para esta montagem de Ifigênia em Táuris, desenhada pelo diretor argentino Gustavo Tambascio – algum lugar indefinido na modernidade – não contribuiu para um aprofundamento interpretativo do drama.

A encenação, contudo, é criativa e faz bom uso de seus econômicos recursos (cenografia de Leo Ceolin e luz de Wagner Pinto). Os tons pasteis mesclando cores vivas – de vez em quando de maneira exagerada, especialmente nas projeções –, reforçam uma concepção que não se prende a estilos. A mesma liberdade guiou a criação dos figurinos (Martin Lopez), que, por sua vez, entre vestimentas neutras da atualidade, concebeu as roupas das sacerdotisas parecidas a uniformes escolares, o Rei Thoas de farda militar e Ifigênia com despojados vestidos pretos ou brancos. Foi interessante e funcionou bem a ideia de contar paralelamente, no fundo do palco, como em um teatro sem palavras, a história pregressa dos personagens (descontada aquela coreografia amorosa dos adolescentes Orestes e Pílades, que, no limite do constrangedor, ficou longe da leveza pretendida).


Soprano argentina Monica Ferracani como Ifigênia [fotos: Décio Figueiredo/divulgação]

Ifigênia em Táuris teve como protagonista a soprano argentina Monica Ferracani, que fez Ifigênia com segurança, voz clara e sonora. Se sua performance teve momentos de grande beleza, ao longo da ópera o canto ressentiu-se de uma maior variedade interpretativa. Essa impressão acabou reforçada por sua atuação de poucos movimentos e expressões. Teve bom desempenho o também argentino Luciano Garay como Orestes. Bem mais à vontade no estilo, Garay exibiu, além de boa voz, uma natural movimentação cênica. O tenor brasileiro Flavio Leite, no papel de Pílades, fez bonito duo com Garay, ainda que parecesse desconfortável em algumas passagens agudas. O rei Thoas foi personificado pelo baixo-barítono Licio Bruno, que, contudo, a despeito de voz e musicalidade privilegiadas, é artista mais afeito ao repertório romântico. Completou o elenco a mezzo soprano Luciana Bueno, que fez uma correta interpretação da deusa Diana.


Mezzo soprano Luciana Bueno, que fez uma correta interpretação da deusa Diana

O ponto crítico desta homenagem a Gluck foi a realização musical de uma partitura tão característica da transição do Barroco ao Classicismo. Embora talvez combinasse com a liberdade geral da concepção atemporal da encenação, faltou um maior rigor estilístico na interpretação conduzida pelo maestro Alessandro Sangiorgi. A jovem Orquestra do Theatro São Pedro – talvez também por conta da novidade que a partitura pré-clássica de Gluck represente para ela – teve uma atuação apenas regular. Assim também o Coral Vozes Paulistanas, preparado por Teresa Longatto, a quem é reservado importante função na obra.

A rica e diversificada temporada 2014 do Theatro São Pedro – que além deste Gluck já teve a remontagem de O menino e a liberdade em março – ainda segue com Las horas vacías, de Ricardo Llorca, em agosto, Ártemis, de Nepomuceno, em outubro, e As bodas de Fígaro, de Mozart, em novembro.

[Ifigênia em Táuris segue com apresentações nos dias 28 e 30 de maio e de junho]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

18/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046