Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 24 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Ernesto Nazareth brilha nas oito cordas do violão de Nicolas de Souza Barros (29/8/2014)
Por Camila Frésca

O Brasil é pródigo em violonistas de excelência, que se encontram entre os líderes de seu instrumento no mundo. A importante carreira internacional de Turíbio Santos ou posto de professor da Royal Academy of Music de Fábio Zanon são alguns dados a provar isto. Nicolas de Souza Barros é mais um desses brilhantes violonistas que o Brasil possui. Professor da UniRio e violonista de carreira internacional, é especialista em instrumentos de cordas dedilhadas, como os violões de oito e seis cordas, alaúdes, vihuela e guitarra barroca. Nos últimos dez anos, no entanto, ele tem se dedicado mais exclusivamente ao violão de oito cordas. Este instrumento tem uma corda mais aguda e outra mais grave em relação ao encordoamento do violão tradicional.

Se os violões acrescidos de uma corda mais grave são conhecidos desde o início do século XIX, a corda mais aguda é uma novidade mais recente e foi desenvolvida em 1994 pelo violonista escocês Paul Galbraith – que já morou em São Paulo e foi um dos fundadores do Quarteto Brasileiro de Violões (conhecido e premiado internacionalmente como Brazilian Guitar Quartet).

Conforme explica Nicolas de Souza Barros, essa corda mais aguda é afinada uma quarta acima da corda mais aguda do violão tradicional, o que proporciona um aumento exponencial do registro do instrumento. Isso motivou Nicolas a criar um repertório novo, composto por arranjos de obras originais para outros instrumentos. A culminância desse trabalho de investigação artística chega agora com o lançamento do CD Ernesto Nazareth por Nicolas de Souza Barros – Violão de oito cordas. Nele, o músico mostra seus arranjos para peças desse consagrado autor de maxixes, tangos e choros brasileiros.


Ouça à faixa Carioca, do novo CD do violonista Nicolas de Souza Barros, dedicado à obra de Ernesto Nazareth

No livreto que acompanha o CD, Nicolas relembra que a obra de Ernesto Nazareth tem sido gravada por violonistas pelo menos desde a década de 1940. Ele passou a se interessar mais seriamente pelas peças ao mesmo tempo em que se dedicava ao violão de oito cordas – e a intepretação delas neste instrumento é um dos diferenciais desta gravação. Nicolas conta ainda que esta ampliação do registro instrumental contribuiu decisivamente para as transcrições realizadas.

No disco, talvez o que mais impressione seja a questão “idiomática” ou, em outras palavras, como as obras se adaptam bem ao instrumento, soando como se desde sempre tivessem sido concebidas para esse tipo violão. Isto, é claro, é mérito direto da mestria de Nicolas em conceber os arranjos. Some-se a isso ao rigor técnico e refinamento musical, elementos que aparecem com discrição e perfeitamente integrados ao contexto, sem nunca ofuscar o clima brejeiro das peças. O famoso Batuque abre o CD, e é seguido por outras treze peças, algumas menos conhecidas como a bela Confidência. Marcam presença, ainda, Tenebroso, Odeon e Fon-fon, entre outras. Um lançamento que tem tudo para se tornar referência entre os discos que se dedicam à obra de Ernesto Nazareth.

[O CD Ernesto Nazareth por Nicolas de Souza Barros está disponível na Loja CLÁSSICOS]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

29/4/2018 - Orquestra Experimental de Repertório

Rio de Janeiro:
29/4/2018 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
28/4/2018 - Manaus, AM - XXI Festival Amazonas de Ópera
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046