Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Domingo, 22 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Céu e inferno em flagrantes da vida musical de cada dia (25/9/2008)
Por João Marcos Coelho

INVEJA POSITIVA - Sempre invejei a determinação do maestro Flavio Florence. Ele não só pôs de pé a Orquestra de Santo André vinte anos atrás - uma das sinfônicas regionais brasileiras mais respeitáveis - como conseguiu até um Steinway de concerto para a região, em importante campanha pública dez anos atrás.
Com um orçamento anual que raramente ultrapassava a casa de R$ 1 milhão, ele de fato operou milagres. Montou óperas (um "Don Pasquale" memorável) e enfrentou com competência as grandes obras sinfônicas e concertantes do repertório, com ousadias inesperadas para uma orquestra do Grande ABC.
Por aqui, temos o péssimo hábito de só elogiar as pessoas depois que elas morrem. Infelizmente, é assim também com Florence.

***

É PRECISO OUVIR KAGEL - Gilberto Mendes jura que nunca ouviu nada do compositor argentino-alemão Mauricio Kagel, também morto semana passada. Mas dei uma repassada em suas obras e fiquei surpreso com duas constatações: 1) como são afins as plataformas estéticas de Kagel e Mendes, ambos satiristas, plenos de humor. Com uma diferença fundamental: a ironia de Gilberto Mendes é suave embora aguda; a de Kagel pende para o grotesco; 2) como é bom Mauricio Kagel. Ele precisa ser mais ouvido por aqui. No 43º Festival Música Nova, ainda em curso, não há nenhuma obra dele programada - e, que me recorde, provavelmente não se toca nada dele em São Paulo desde a virada dos anos 60/70, segundo um amigo fanático por música nova, que me assegura ter assistido a Kagel no auditório do Masp.

***

CRÍTICO BOM É CRÍTICO APOSENTADO - Há semanas o sensato e muito competente Lauro Machado Coelho foi malhado em prosa e verso na internet porque disse algo que acontece quase sempre nas salas de concerto brasileiras: as sonoridades de nossas orquestras cobrem injustificada e grosseiramente solistas instrumentais e cantores. Aconteceu com a Osesp há pouco; aconteceu com a Orquestra Sinfônica Brasileira em Campos do Jordão, em julho passado, no "Don Quixote", onde o público queria mas não conseguia ouvir o violoncelo de Antonio Meneses.

Vida de crítico é mesmo perigosa. Ainda bem que Lauro passou batido. O mesmo, no entanto, não aconteceu com o crítico do jornal "Plain Dealer" de Cleveland. Donald Rosenberg foi rebaixado após mais uma crítica negativa a um concerto da Sinfônica de Cleveland sob a batuta do alemão Franz Welser-Möst. Segundo matéria do jornal The New York Times de hoje, quinta-feira (acesse (http://www.nytimes.com/2008/09/25/arts/music/25crit.html?_r=1&th&emc=th&oref=slogin), ele permanece no jornal. Só não pode é cobrir a orquestra, que renovou o contrato com Welser-Möst até 2018. Tem graça isso? Detalhe: um diretor do jornal também integra o conselho da orquestra. O enredo deste cruel pagode é o seguinte: quando o músico não concorda com a crítica, desqualifica o crítico. Nem lhe passa pela cabeça olhar para o seu umbigo e exercer um mínimo de autocrítica. Já fiz música de câmara com músicos que, após uma crítica negativa, escreveram ao jornal dizendo que eu era um analfabeto musicalmente. Pode?

E pra não dizerem que só falo de coisas miúdas, recorro a Brahms, o caso-limite, no qual se espelham músicos do planeta até hoje. Esculhambou Eduard Hanslick, da "Neue Freie Presse", o jornalão de Viena no século 19, por causa de uma crítica desfarovável. Chamou-o de imbecil e analfabeto musical. Apresentado ao autor de "O Belo Musical", tornaram-se amigos, e Hanslick foi o maior defensor do autor do "Réquiem Alemão" na briga com Wagner. Rapidamente, Brahms passou a considerá-lo o maior crítico musical de seu tempo. Estranha ética, senhor Johannes.

Como dizia sabiamente Mané Garrincha (foto acima) de seus infelizes marcadores: são todos Joões. Ou melhor, Johannes.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

31/10/2017 - Orquestra Nacional do Capitólio de Toulouse

Rio de Janeiro:
29/10/2017 - Ópera Liquid Voices: A história de Mathilda Segalescu, de Jocy de Oliveira

Outras Cidades:
24/10/2017 - Ribeirão Preto, SP - Festival Música Nova Gilberto Mendes
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046