Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 17 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Tagliaferro: melhor em CD do que no YouTube (8/10/2014)
Por Irineu Franco Perpetuo

Um hábito arcaico do qual ainda não consegui me desvencilhar completamente é a aquisição de CDs. Claro que ele sofreu mudanças: da desenfreada compulsão que era há 20 anos, transfigurou-se em um velho vício no qual só me permito reincidir com parcimônia.

Uma das vantagens dessa ponderação conquistada com o passar dos anos é que faz muito tempo que não me arrependo desse tipo de compra. Mais do que isso, as escassas aquisições têm se revelado altamente compensadoras.

Na música popular, andei me esbaldando com Corpo de baile, no qual Monica Salmaso emoldura, com requintes de Kammersängerin e arranjos refinados, 14 obras-primas de Guinga e Paulo César Pinheiro. E, na música de concerto, o mais recente festim foi-me propiciado por Le piano français de Chabrier à Debussy, inestimável documento do talento de Magda Tagliaferro (1893-1986).


Magda Tagliaferro e o álbum relançado pela Erato: documento do talento [imagens: divulgação/reprodução]

A fala teatral e veemente de Tagliaferro, seus vestidos, maquiagem, perfumes, cabeleira vermelha e personalidade forte são ainda hoje quase tão recordados quanto seus méritos pedagógicos. Magda formou não uma, mas várias gerações de pianistas, e teve uma carreira nos palcos cuja longevidade perigosamente excessiva acabou prejudicando sua reputação.

Explicando: devido a problemas financeiros, Tagliaferro acabou tendo que tocar em público mesmo quando os dedos já não tinham mais precisão para responder aos comandos de sua prodigiosa mente musical. Por isso, as últimas lembranças que as pessoas guardam de suas performances ao vivo não raramente mesclam pena e melancolia.

Assim, é fundamental um lançamento como esse da Erato, que resgata a arte de Tagliaferro em seu auge, e ajuda a entender por que, sem patriotada, ela pode ser considerada como uma das grandes artistas do teclado do século XX.

Gravado em Paris, em 1961, o recital está saindo em CD pela primeira vez: havia sido lançado pela Erato em LP em 1962, aparecendo no mercado japonês em 1970, para ser reeditado em solo francês em 1973.

Aos 68 anos, Tagliaferro se mostra totalmente à vontade em um repertório que dominava à perfeição: miniaturas pianísticas de Chabrier, Séverac, Hahn e Saint-Saëns. A cereja desse bolo tão saboroso é Debussy: Pour le piano, Arabesque nº 1 e 2, e L'isle joyeuse.

Não entra em questão discutir o senso de estilo de Tagliaferro: ela estabelece os padrões estilísticos pelos quais os outros intérpretes devem ser julgados. Cada peça é tomada como um mundo em si mesmo, e a pianista usa seus recursos estilísticos de agilidade, inteligência, humor e lirismo para dar a cada uma delas uma caracterização individual, matizada e saborosa.

Por isso, quando o assunto for Tagliaferro, tenha muito cuidado com os vídeos do YouTube em que ela nem sempre aparece no melhor de  sua forma. Talvez seja mais sábio ceder a um uso do século do passado e comprar um CD. Nem que seja a única vez no ano em que você faça isso.

[O CD Le piano français de Chabrier à Debussy está disponível na Loja CLÁSSICOS]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Escola de Música Villa-Lobos

Outras Cidades:
20/12/2017 - Vitória, ES - Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046