Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Concerto marca lançamento de obras de Olivier Toni e celebra a trajetória do maestro (22/10/2014)
Por Camila Frésca

Ontem, terça-feira, dia 21 de outubro, uma parcela expressiva da comunidade musical paulista se reuniu no Sesc Consolação. O motivo? Acompanhar o lançamento do CD “Só isso e nada mais”, com obras de Olivier Toni, e prestar uma homenagem a uma das mais importantes figuras da música de São Paulo no último meio século.

Professor e compositor Olivier Toni, homenageado no Sesc [Foto: CONCERTO / Lydia Abud]

Olivier Toni, responsável pela criação de alguns dos mais importantes organismos musicais da cidade – como a Orquestra Sinfônica Jovem Municipal (atual Orquestra Experimental de Repertório) em 1968, a Escola Municipal de Música (1969), o Departamento de Música da USP (1970), a Osusp (1972) e a Orquestra de Câmara da USP (1995) – sempre se dedicou de corpo e alma à docência. Tanto que sua porção compositor é bem pouco conhecida. Willy Corrêa de Oliveira, um de seus muitos alunos, mostrou-se surpreso ao ouvir o disco e constatar a importância dessas obras, e no texto de abertura do CD, ele se pergunta: “Por que, então, o Toni escreveu tão pouco?” O próprio Willy arrisca uma resposta: “Nunca perguntei a ele, mas acho que posso dizer por ele: que nós, seus alunos, fomos a causa do pouco tempo que ele dedicou à sua própria obra. Não porque o impedíssemos (de modo algum), mas porque nós, todos nós, fomos mais importantes para ele de que ele próprio e suas obras”.

Muitos desses alunos, além de amigos e admiradores, se misturaram em clima de celebração para o lançamento. O CD “Só isso e nada mais” tem obras compostas entre 1956 e 2012 e que vão do solo à orquestra de câmara, passando por canções com formações pouco ortodoxas como voz, trompete e contrabaixo. No concerto, parte dessas obras foi apresentada por dois dos mais notáveis músicos brasileiros em atividade: o violinista Cláudio Cruz e o pianista Paulo Álvares, ambos ex-alunos de Toni. Cláudio deu início com o Recitativo I para violino e orquestra de cordas (em versão para violino solo) e, na sequência, Paulo Álvares interpretou a bela Ommagio a Camargo Guarnieri, que Toni escreveu em 1987, quando se reaproximou de seu antigo mestre. Constaram do programa quatro dos sete Recitativos do compositor. “Desde que comecei a refletir sobre o gesto de compor, os recitativos despertaram minha atenção, porque ao longo de toda a história da linguagem musical eles sempre foram utilizados como um recurso para reproduzir por meio do som – e da emoção – a linguagem falada”, explicou Toni no livreto do CD. “Meus Recitativos são movidos pela magia emotiva e pela força expressiva desse gênero poético e musical, com a disposição de alcançar certa forma no imprevisível, manejando o vazio, restringindo e condensando o material sonoro e sempre com poucas notas”.

Após o concerto, Olivier Toni fez um discurso emocionado, agradecendo aos muitos que estiveram ao seu lado ao longo de sua trajetória e aos que tornaram possível a realização do disco. Em setembro, na longa conversa que tive com ele e que resultou na entrevista da edição de outubro da CONCERTO (e que você pode ler clicando aqui – acesso exclusivo para assinantes), Toni me disse que estava compondo algo que considerava um desafio: uma peça que simbolizasse a amizade e as lutas que o unia aos irmãos Paulo e Eduardo Guimarães Álvares (falecido recentemente). Ele havia prometido a obra a Paulo, que pretende estreá-la. Pois bem, nessa noite o maestro cumpriu sua promessa e entregou a Paulo Álvares a peça Três cores, celebrando a vida e a amizade entre os três amigos. Segundo Toni, uma de suas maiores alegrias é poder dizer que todos os alunos que passaram por suas mãos são, mais do que tudo, amigos queridos.

[Clique aqui para ver o making of do CD dedicado a Olivier Toni]





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

31/10/2017 - Orquestra Nacional do Capitólio de Toulouse

Rio de Janeiro:
25/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
21/10/2017 - Vitória, ES - II Festival Sesi de Ópera
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046