Banner 180x60
Boa tarde.
Terça-Feira, 17 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
A sala de volta (1/12/2014)
Por João Luiz Sampaio

A senhora entrou correndo, assim que as portas se abriram. Hesitou por um instante, mas logo encontrou o que procurava: a fileira M, e a poltrona preferida, na qual assistiu a tantos concertos, recitais e apresentações. “Pronto, achei meu lugar”, disse, feliz, em voz alta, para si mesma. Logo depois, olhou em volta. “Parece que ficou menor.” E alguém então a corrigiu: “Não, são menos cadeiras, só isso.”

A cena, na tarde da última sexta-feira (28/11), exemplifica bem a relação que os amantes da música têm com a Sala Cecília Meireles. Fechada há 4 anos para reforma, ela foi reaberta ao público pouco depois das 14h30, sediando as primeiras provas eliminatórias do 4º Concurso Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro.


O painel no fundo do palco, uma das marcas registradas do espaço, foi mantido [fotos: Revista CONCERTO]

Antes do começo, ou mesmo no intervalo, as conversas eram parecidas: todos temos memórias ligadas à sala, descobertas musicais, encontros, conversas, revelações, apresentações memoráveis. Por conta disso, voltar a ela – ou tê-la de volta – dá uma sensação especial. Até porque sua programação fez falta ao cenário musical carioca, que nos últimos, em seus principais palcos e conjuntos, sofreu diversos abalos.

A sala, no entanto, recebeu o público de modo diferente. Uma enorme janela foi criada na fachada, iluminando a decoração moderna que agora conta com um mezanino amplo e uma mistura interessante de madeira e vidro e, ao mesmo tempo, permitindo que, do lado de dentro, possa se observar a paisagem do centro do Rio. Sobre o espaço, agora também paira um enorme lustre assinado pelos designers Francisco Gomez Paz e Paolo Rizzatto, da Argentina e da Itália.


Novo lustre, assinado pelos designers Francisco Gomez Paz e Paolo Rizzatto; abaixo, a fachada reformada

Dentro da sala, o painel do fundo do palco, uma das marcas registradas do espaço, foi mantido e restaurado. Há, de fato, menos cadeiras – 680, contra 830 do passado, redução feita para que se pudesse aumentar a área de circulação, atendendo exigências atuais de segurança. Nas laterais, a mudança foi maior: o teatro agora está revestido de placas de madeira (carvalho branco), trabalhadas pelo artista Ângelo Venosa.

E a acústica? A sala sempre foi conhecida pela excelência neste quesito. E houve quem, no intervalo das provas do concurso, achasse que o som está reverberando demais. Talvez. Mas é preciso esperar um pouco antes de fazer julgamentos definitivos. E contar, para isso, com a programação que vem sendo montada pelo diretor João Guilherme Ripper, que inclui música de câmara, recitais e também a apresentação de orquestras sinfônicas nas próximas semanas.

A reabertura oficial da Sala acontece apenas no dia 11 de dezembro, com um recital de canções inspiradas em poemas de Cecília Meireles e a participação da mezzo-soprano Luisa Francesconi, do barítono Homero Velho e da pianista Priscila Bonfim – a
direção será de André Heller-Lopes. Mas, no final, coube ao pianista paulista Richard Kogima, de 24 anos, candidato que abriu as provas do Concurso BNDES, a honra de ser o primeiro artista a se apresentar ao público na nova sala. Ele tocou, Bach, Beethoven e Rachmaninov. Acabou não passando para a fase semifinal. Mas poderá ostentar no currículo um marco de fazer inveja a qualquer colega.

P.S.: Por falar em memórias musicais, eu saí da sala na sexta me lembrando de um Concerto nº 3 de Beethoven que me revelou, há quase uma década, a genialidade da pianista Maria João Pires; das tardes de maratona da Folle Journée carioca, bravamente realizada por Helena Floresta e Teresa Pinheiro; dos recitais de Antonio Meneses com Menahem Pressler; do fascínio provocado pela música para o palco de Zemlinsky; do primeiro contato com a Filarmônica de Minas Gerais, já dando provas de qualidade em seu ano de criação, com Fabio Mechetti e Arnaldo Cohen. Mas, sem passadismos: a lembrança de grandes momentos musicais dura pouco e logo é substituída pela esperança de que novos estejam por vir.

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Luiz Sampaio - é editor executivo da Revista CONCERTO e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

27/10/2017 - Antonio Meneses - violoncelo

Rio de Janeiro:
25/10/2017 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
20/10/2017 - Curitiba, PR - III Festival de Ópera do Paraná
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046