Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
“Tosca”, de Puccini, fecha grande ano do Municipal (3/12/2014)
Por Nelson Rubens Kunze

Dá para gostar, dá para não gostar, mas uma coisa é certa: as montagens do Theatro Municipal de São Paulo estabelecem uma nova dimensão de produção lírica no Brasil. Os grandes títulos se sucedem, eventualmente com outros maestros ou diretores, mas todos garantem um alto nível de qualidade, demonstrando a clara intenção de alcançar resultados que possam ser referenciados em patamares de primeiro mundo.

Tosca, de Puccini, que estreou no sábado dia 29 de novembro para um temporada de 9 récitas, é mais um passo nessa direção. Dirigida por uma equipe formada na sua quase totalidade por estrangeiros, a ópera segue o elevado nível das produções anteriores. Para o papel de Cavaradossi, o Theatro Municipal escalou ninguém menos que Marcelo Alvarez, tenor argentino de reputação internacional. Circulavam rumores de que o cantor estivesse ligeiramente resfriado, e que isso pudesse comprometer sua performance. Não sei. O que sei, é que Alvarez cantou incrivelmente bem, exibindo uma rica paleta de cores e satisfazendo plenamente as expectativas (pelo menos no quesito voz). O maldoso Scarpia foi vivido pelo barítono italiano Roberto Frontali, que também teve um excelente desempenho vocal. Frontali, ao contrário de Alvarez, já se apresenta bem mais à vontade em cena. Floria Tosca foi interpretada pela soprano espanhola Ainhoa Arteta, de brilhante voz, especialmente nas regiões mais agudas. Ótima em cena, Arteta demonstrou grande entrega em suas intervenções e fez uma emocionante interpretação da ária Vissi d’arte. Para o público, foi a melhor – pelo menos a julgar pelo estrondoso aplauso que colheu no fim do espetáculo.


Roma de 1970: Ainhoa Arteta e Marcelo Alvarez como Tosca e Cavaradossi [fotos: Desirée Furoni/divulgação]

A ópera foi dirigida pelo maestro italiano Oleg Caetani (que é filho do maestro Igor Markevitch). Caetani conduziu com grande sensibilidade e senso dramático, obtendo um ótimo resultado. A orquestra e os diversos coros responderam com a necessária agilidade e concentração, atingindo níveis de desempenho bastante elevados.

O também italiano Marco Gandini foi o responsável pela direção cênica desta nova encenação de Tosca (Gandini, que ostenta em seu currículo ter sido assistente de Franco Zeffirelli, assinou também a direção de Aida, no Municipal no ano passado). O diretor optou por transportar a história, que no libreto se passa no ano de 1800, para a década de 1970. Bom, exige uma certa dose de abstração para reconhecer uma Roma de 1970 em um enredo em que diversas trechos se referem a acontecimentos históricos do início do século XIX (os desdobramentos da Revolução Francesa e a batalha napoleônica de Marengo, por exemplo)...

Mas o teatro como um todo funcionou bem, com uma correta direção de atores. Durante todo o espetáculo, um jogo de luz e sombras sublinha os acontecimentos. A cenografia do primeiro ato mostra o interior de uma igreja moderna, em concreto armado, que quando se abre, na parte de trás, revela um painel que lembra os vitrais da Catedral de Brasília. No segundo ato, o diretor divide a cena horizontalmente, para mostrar uma câmara de tortura no subsolo (pena que a iluminação da câmara de tortura estivesse tão escura, que não se distinguia muita coisa). O terceiro ato é dominado por uma grande estátua de anjo e degraus, que saem da parede. E, em consonância com a narrativa, o resultado visual mais impactante foi o dramático suicídio de Tosca.


Em ação como Floria Tosca, Arteta interage com o cenário criado pelo diretor de cena italiano Marco Gandini

Essa Tosca fecha a segunda temporada do Theatro Municipal sob a direção artística do maestro John Neschling. A despeito dos desafios que ainda estão pela frente (vide as recentes contendas de Ministério do Trabalho e Sindicato de Músicos), não restam dúvidas da firme intenção da atual gestão em finalmente dotar São Paulo de um teatro de ópera moderno, que atenda as demandas culturais e sociais do mundo contemporâneo.

[A montagem de Tosca pode ser avaliada no Ouvinte Crítico. Participe!]

[Clique aqui e confira a nova temporada 2015 do Theatro Municipal de São Paulo]

Clássicos Editorial Ltda. © 2014 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.
 





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Orquestra Sinfônica de Santo André

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
15/12/2017 - Recife, PE - XX Virtuosi - Festival Internacional de Música de Pernambuco
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046