Banner 180x60
Boa tarde.
Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Brasil, um país de violinistas? (2/10/2008)
Por Camila Frésca

O Brasil é um país que possui tradição em grandes pianistas. Ao longo do século XX, não foi pequeno o número de instrumentistas brilhantes que arrebatou platéias aqui e no exterior: Magdalena Tagliaferro, Guiomar Novais ou Jacques Klein - este último, aliás, será homenageado no Rio de Janeiro este mês por meio de um festival que reúne ex-alunos seus. Arnaldo Cohen é um desses alunos, o que mostra que a tradição atravessou o século e hoje conta com outros grandes nomes, que têm em Nelson Freire sua estrela maior.

Embora não em tão larga escala, também possuímos uma bela tradição de violoncelistas e violonistas. Mas, e o violino, instrumento que mundialmente só perde em popularidade para o piano e o canto? Ainda que com representantes menos conhecidos e que não alcançaram projeção internacional, o país produziu nomes importantes. Se nos atermos apenas a uma categoria específica de instrumentistas - violinistas virtuoses que também compunham para seu instrumento - encontraremos pelo menos três nomes notáveis.

Um deles é Manuel Joaquim de Macedo (1847-1925), sobrinho do conhecido romancista Joaquim Manuel de Macedo. Totalmente esquecido hoje em dia, Macedo foi compositor, regente e, ao que tudo indica, o maior virtuose brasileiro do violino no século XIX. Estudou no Real Conservatório de Bruxelas com grandes instrumentistas como Hubert Leonard e Henri Vieuxtemps. Acredita-se ainda que tenha se aperfeiçoado com Joseph Joachim – violinista que gozava da mais alta estima de Brahms, que o consultava quando escrevia obras para violino e que a ele dedicou seu concerto para o instrumento – e Charles de Bériot, compositor cujas obras para violino eram extremamente apreciadas no século XIX e início do XX.

Pois Macedo não apenas circulava entre os maiores violinistas de sua época como era por eles considerado um igual. Prova disso é que, indicado por Vieuxtemps, foi spalla do Covent Garden, em Londres. Após nove anos na Europa, voltou ao Brasil e foi nomeado por D. Pedro II mestre da Capela Imperial. A partir dessa época, parece diminuir seu interesse pela performance, ao mesmo tempo em que crescia sua atividade como compositor. Deixou quase 200 obras, para variadas formações e gêneros, como sonatas, fantasias, poemas sinfônicos e uma ópera, Tiradentes. Macedo obteve uma bolsa do governo brasileiro para orquestrá-la na Bélgica, para onde voltou em 1908, permanecendo por muitos anos e retornando ao Brasil já no final da vida. Trechos da obra foram apresentados em 1910 naquele país, sob regência de Alberto Nepomuceno.

Grande violinista que era, Macedo não esqueceu de seu instrumento, escrevendo nada menos do que oito concertos para violino. Até onde sei, nenhum outro compositor brasileiro escreveu tantas obras do gênero para o violino. O violinista Flausino Vale, que foi aluno de um discípulo de Macedo, conta num de seus livros que o compositor teria dedicado o oitavo concerto a Joachim; este, por sua vez, teria desistido de tocá-lo, dada a extrema dificuldade da obra. Vale também afirma, dando notícias de outras de suas obras: "possuo dele [Macedo] dois trabalhos, em manuscrito, para violino e piano, lindíssimos e dificílimos, dignos da assinatura de um Wieniawski: Fantasia sobre a Marta, de Flotow, e Variações sobre temas de Moniuszko".

Infelizmente, nenhum desses concertos para violino está em circulação, e é provável que a maioria esteja desaparecida. Também a biografia de Macedo é feita de muitas lacunas e termos como "parece", "ao que tudo indica" etc. – como os leitores puderam notar neste próprio texto. Assim, é mais do que urgente que pesquisas tragam luz à vida e à obra desse artista de atuação tão relevante.

Falei de três nomes notáveis mas, por conta do espaço, os outros dois ficarão para próximos artigos. São eles Marcos Salles e Flausino Vale, violinistas que compuseram quase que exclusivamente para seu instrumento, com especial atenção para o violino solo. Viveram na primeira metade do século XX, foram amigos e, influenciados pelas correntes nacionalistas, deixaram obras que mesclam folclore nacional à tradição da música de concerto européia.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

28/10/2017 - Daniel Grajew - piano

Rio de Janeiro:
29/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
26/10/2017 - Curitiba, PR - III Festival de Ópera do Paraná
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046