Banner 180x60
Boa noite.
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
OSB abre temporada com excelente integral das “Bachianas brasileiras” (10/3/2015)
Por Nelson Rubens Kunze

Com a apresentação em dois concertos (no sábado dia 7 e no domingo dia 8) da integral das Bachianas brasileiras, de Heitor Villa-Lobos, a Orquestra Sinfônica Brasileira deu início a sua temporada 2015. Os concertos integram a série Rio 450 anos, que, conforme programa, “levam à Cidade das Artes consagrados solistas cariocas e obras de compositores marcados pela cidade”. Não pense que a frase acima encerre algum provincianismo estreito – não no Rio de Janeiro! Esta primeira dobradinha de concertos já é reveladora do caráter cosmopolita da cidade, com um compositor da estatura de Villa-Lobos, uma orquestra de histórico internacional e artistas como o maestro Roberto Minczuk, a soprano Rosana Lamosa e o pianista Jean-Louis Steuerman. Sem falar na Cidade das Artes, casa da orquestra, encravada qual monumento futurista no principal entroncamento viário da Barra da Tijuca.


A Orquestra Sinfônica Brasileira durante a apresentação da integral das Bachianas [fotos: divulgação]

Villa-Lobos escreveu as Bachianas brasileiras nas décadas de 1930 e 1940 (a primeira é de 1930 e a última de 1945). Menos audaciosas e mais acessíveis que os Choros da década de 1920, com as Bachianas Villa-Lobos processa uma certa acomodação de sua linguagem musical em uma vertente de corte neoclássico. Tomando como ponto de partida formas barrocas – por isso o “bachianas” –, o mestre carioca cria obras de grande inventividade melódica, e de ritmos e harmonias muito características. É impressionante a riqueza da malha musical tecida por Villa-Lobos, às vezes cheia de surpresas, contrapontos escondidos e passagens de grande dificuldade de execução, e outras vezes de uma singeleza e beleza desconcertantes. De grande inspiração, o ciclo traz a marca do gênio musical de Villa-Lobos, uma assinatura muito pessoal, que traduz toda aquela “brasilidade” que a ela atribuímos.

O programa da OSB começou no sábado com as duas Bachianas escritas para conjunto de oito violoncelos, a de nº 1 e a de nº 5, esta com uma bonita e tocante participação de Rosana Lamosa. Na segunda parte, a OSB interpretou às Bachianas 8 e 4, ambas para grande orquestra. O programa de domingo apresentou as peças restantes na seguinte ordem: a nº 2, para orquestra (com o Trenzinho do caipira no último movimento); a nº3, para orquestra e piano, com Jean-Louis Steuerman; a nº 6, para flauta e fagote, com uma excelente interpretação dos solistas da orquestra Tiago Meira, na flauta, e Felipe Destéfano, no fagote; a Bachiana nº 9 para orquestra de cordas; e, finalizando o ciclo, a Bachiana nº 7 para grande orquestra sinfônica.


O pianista Jean-Louis Steuerman solou nas Bachianas nº 3, e foi um dos pontos altos da integral

Roberto Minczuk conduziu a OSB em crescente sintonia e interação musical, com sensível musicalidade e competência singular – o maestro regeu quase todo o ciclo de cor! Problemas pontuais em algumas passagens e eventuais deficiências na unidade de alguns naipes foram amplamente compensados por uma leitura de grande organicidade, em interpretações no todo muito consistentes. Absolutamente espetacular foi a participação do pianista Jean-Louis Steuerman, que, em perfeita conjunção com a orquestra, brilhou e fez da Bachianas nº 3 um dos pontos altos de todo o ciclo. A integral encerrou-se de forma magistral, com uma empolgante interpretação da Bachianas nº 7.

Esse ciclo das Bachianas brasileiras, de Villa-Lobos, sem dúvida marca a temporada musical brasileira, por seu ineditismo e pela excelente interpretação. A performance demonstra a maturidade e competência da OSB e reforça a posição do maestro Roberto Minczuk como um dos grandes regentes brasileiros.

P.S.1: Estava bem ocupada a bela sala de concertos da OSB na Cidade das Artes. Conforme fui informado, seus 1.200 lugares têm sido cada vez mais disputados por um público novo da Barra da Tijuca. A sua configuração “multiuso” atual – o espaço também tem sido usado para musicais e shows – compromete um pouco a acústica projetada para a música sinfônica, resultando em uma sonoridade um pouco seca. Na configuração projetada para música sinfônica, anteparos de veludo seriam retirados e duas torres de camarotes circundariam o palco, ampliando toda a caixa de ressonância do teatro.

P.S.2: As vendas de assinaturas da temporada da OSB encerraram-se ontem. Ainda antes dos números finais, a expectativa era a de que o resultado de vendas tenha sido um dos melhores dos últimos anos.

[Nelson Rubens Kunze viajou ao Rio de Janeiro e assistiu aos concertos na Cidade das Artes a convite da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira.]

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

21/2/2018 - Fábio Zanon - violão, Quarteto Osesp e Alunos da Academia da Osesp

Rio de Janeiro:
20/2/2018 - Adriana Ballesté - violão

Outras Cidades:
22/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046