Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 17 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Óperas do Theatro Municipal revelam diversidade do gênero (27/4/2015)
Por Nelson Rubens Kunze

É difícil encontrar qualquer paralelo entre a ópera Um homem só, de Camargo Guarnieri (1907-1993), e Ainadamar, do argentino Osvaldo Golijov (nascido em 1960), ambas em cartaz como dobradinha no Theatro Municipal de São Paulo. Um homem só, que tem libreto do dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri (nenhum parentesco com o compositor), é um título brasileiro, cantado em português. A música do nacionalista Guarnieri não traz menções folclóricas explícitas, é bem construída e tem interessantes passagens camerísticas. Falta a ela, contudo, caráter de teatralidade; ela se desenvolve em um plano abstrato, sem uma condução narrativa. O libreto trata da solidão do homem, que não é mais reconhecido por ninguém, e de sua alienação da sociedade. A estrutura dramática é subdividida nas diversas sequências vividas pelo personagem, como sua procura pela família, a noite com uma mulher, a visita ao médico ou o encontro com operários no trabalho.


Rodrigo Esteves como o protagonista da ópera Um homem só [fotos: Heloísa Ballarini/divulgação]

Ainadamar é baseada em um libreto do norte-americano David Henry Hwang, e conta as lembranças da atriz catalã Margarita Xirgu, que rememora seu encontro com o escritor Federico García Lorca, o enfrentamento dele com a falange da ditadura espanhola até seu trágico assassinato. A música, que traz a marca do pastiche estilístico do compositor, apresenta desde influências da música sefardita até cantos folclóricos latino-americanos, tudo unido em uma grande malha sonora de forte apelo emocional. Golijov também usa sons gravados de água e outros ruídos, até discursos dos carrascos falangistas. Para que se garanta o equilíbrio sonoro, os cantores tiveram a voz amplificada por microfones. Ainadamar, com sua mensagem direta de liberdade e justiça, com suas triviais mas cativantes soluções harmônicas e rítmicas, funciona bem (ainda que um pouco longa) e tende ao formato de um musical.


Luigi Schifano, como Federico García Lorca, em cena com bailarinos, em Ainadamar

Foram bons e competentes os elencos, cada um a sua maneira. Na ópera tradicional de Guarnieri, apresentaram-se bem os brasileiros Rodrigo Esteves, Luciana Bueno, Saulo Javan, Miguel Geraldi e Rubens Medina. Aqui, contaram as inflexões tímbricas e a projeção da voz (em algumas passagens da récita de estreia, dia 22, Luciana Bueno acabou um pouco encoberta pela orquestra). Já esses aspectos mais sutis ficaram de lado no elenco microfonado de Ainadamar, em que todas as vozes soaram iguais e com volume adequado. Destacaram-se as intervenções da soprano Marisú Pavón, de agudos cristalinos e estudados vibratos. Mas foram também boas as participações de Luigi Schifano como Lorca e de Camila Titinger como Nuria, bem como do restante do elenco (Alfredo Tejada, Carla Cottini, Monique Corado, Rodrigo Esteves, Rubens Medina e Miguel Geraldi). Rica e apropriada foi a interpretação de García Lorca feito pelo ator Jarbas Homem de Mello. A Orquestra Sinfônica Municipal, o Coral Lírico e os bailarinos (selecionados por meio de audições exclusivamente para a montagem), com importantes intervenções em Ainadamar, apresentaram-se bem, sob a direção musical e regência do maestro chileno Rodolfo Fischer.

Mas, se os diferentes títulos e a competência artística dos intérpretes já valem o ingresso, é o ótimo trabalho do diretor cênico e iluminador Caetano Vilela que realmente faz a diferença. Caetano criou praticamente duas encenações, uma para cada ópera, e cada uma delas em absoluta sintonia com a obra em questão (cenários de Nicolàs Boni, figurinos de Olintho Malaquias). Em Um homem só, Caetano deu dinâmica ao espetáculo, com soluções de grande engenhosidade – o que incluiu planos inclinados, painéis com deslocamentos e esteiras rolantes –, em cenas de bom gosto e bonitos resultados plásticos. Já em Ainadamar, também deixando-se contagiar pela música, Caetano mesclou flamenco com efeitos de luz e cenários multicoloridos, sempre apresentando soluções criativas e de grande impacto sensorial.

O que não fez muito sentido, pela absoluta diversidade de caráter, foi a justaposição dos dois títulos. E creio que, nesse contexto, Um homem só de Guarnieri acabou em franca desvantagem, na sombra do show de apelo fácil de Golijov.


[Veja também]
Theatro Municipal de São Paulo apresenta dobradinha com Um homem só e Ainadamar
Óperas Um homem só e Ainadamar têm votação aberta no Ouvinte Crítico

[Nota atualizada às 16h40 do dia 27/4/2015]

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

27/10/2017 - Antonio Meneses - violoncelo

Rio de Janeiro:
29/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
27/10/2017 - Ribeirão Preto, SP - Festival Música Nova Gilberto Mendes
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046