Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Terça-Feira, 20 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Osmo Vänskä: o homem certo no lugar certo (4/5/2015)
Por Irineu Franco Perpetuo

Confesso que, neste ano, demorei a me animar para ver a Osesp tocar. Nada contra a orquestra, obviamente. Porém, fiquei esperando um maestro que realmente estimulasse a orquestra e um programa interessante. Finalmente, ele chegou: Osmo Vänskä, 62, mais um brilhante membro da esquadra finlandesa de regentes que vêm encantando o mundo com sua mescla de técnica sólida e elevada musicalidade.

Diretor musical da Orquestra de Minnesota (EUA) desde 2003, Vänskä já tem quase uma década de relação com a Osesp: começou a regê-la como convidado no já distante ano de 2006, ainda no reinado de John Neschling, sempre com resultados positivos.


Osmo Vänskä em ação com a Osesp na Sala São Paulo: parceria começou em 2006 [foto: divulgação]

Outro fator de atração era a obra a ser estreada: A rua dos Douradores, Litania da desesperança, encomenda conjunta da orquestra e da Fundação Calouste Gulbenkian, de Lisboa, de autoria do cultivado Aylton Escobar, 71. Afinal, a peça incluía também o Coro da Osesp, que, sob regência de Naomi Munakata, gravou um belo disco dedicado ao compositor (baixe de graça clicando aqui). E eu tinha ainda belíssimas lembranças dos Salmos elegíacos para Miguel de Unamuno que, também combinando coro e orquestra, Neschling estreou na Sala São Paulo em 2008.

Para uma encomenda que envolve Portugal, Escobar escolheu aquele que talvez seja o poeta luso mais popular do lado de cá do Atlântico – Fernando Pessoa, com o Livro do desassossego. Sua peça de agora claramente ecoa e dialoga com a de 2008, delineando como que uma ponte, construída por um olhar brasileiro, entre as angústias e melancolias de dois literatos ibéricos da primeira metade do século XX. Familiarizado com o idioma do compositor, o coro interpretou sua música de forma pungente, enquanto Vänskä, com uma regência didática que parecia empenhada em transmitir as inflexões da peça não apenas aos músicos, mas sobretudo à plateia, conduzia a Osesp pela fugidia e lírica textura da escrita de Escobar.

Fez-se o intervalo e, depois dele, a Osesp executaria as duas derradeiras sinfonias do finlandês Jean Sibelius (1865-1957), no sesquicentenário de nascimento do compositor, concluindo assim a integral de suas obras sinfônicas, que a orquestra vinha fazendo nos últimos anos, com diversos regentes.

Olhando o programa, confesso que pensei que um ciclo que vinha sendo realizado com tanta calma não precisava ser concluído de forma tão apressada. Quando se incluem duas sinfonias – ainda mais de autor idêntico – em um mesmo programa, a tendência é que uma “mate” a outra. Como Osmo Vänska ficaria ainda mais uma semana em São Paulo, não teria sido mais sábio dividir as sinfonias de Sibelius, incluindo cada uma em um programa?

De qualquer maneira, todas as apreensões que eu poderia ter se dissiparam assim que Vänskä ergueu a batuta e começou a jornada pela Sexta sinfonia de Sibelius. Ele simplesmente parecia ser o homem certo no lugar certo. Nessa obra, como na Sétima, a Osesp soou com um equilíbrio e coesão como há tempos não se ouvia na Sala São Paulo. A defesa resoluta das obras pareceu reafirmar o finlandês como um dos grandes autores sinfônicos da primeira metade do século XX, e nos fez lamentar que as demais orquestras brasileiras só se lembrem, e muito ocasionalmente, da sua Segunda sinfonia, quando parece haver todo um rico mundo sonoro a explorar.

Feitas as contas, deu para sair do teatro não apenas satisfeito, como otimista. O concerto deixou bem claro que, quando atua sob a direção de um regente interessado nela e que, por seu turno, consegue despertar seu interesse, a Osesp pode sair da zona de conforto e fazer música em nível elevado e prazeroso. Quem será o próximo a conseguir a proeza?

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

23/2/2018 - Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e Coro Lírico Municipal de São Paulo

Rio de Janeiro:
20/2/2018 - Adriana Ballesté - violão

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046