Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
O sucesso de Dom Quixote (8/3/2016)
Por Jorge Coli

Dom Quixote, de Massenet, apresentado agora no Theatro São Pedro, está sendo um sucesso em todos os sentidos. Os artistas investem com energia, o público delira, a música – tão raramente apresentada – é sutil, mas também emotiva. Quando o cavaleiro da triste figura morre no fim, o nó vem à garganta.


Eduardo Amir e Gregory Reinhart como Sancho Pança e Dom Quixote [fotos: Heloísa Bortz/divulgação]

É preciso dizer que Gregory Reinhart, grande cantor de carreira internacional, aguardou a vida inteira por esse papel. Ele tem o físico, as feições, a idade, o gênio teatral e a voz perfeita, esplêndida, negra, vasta, monumental, para encarnar o personagem. Seu ar alucinado, a grandeza de suas posturas, o eleva à estatura que o mito exige. Ele é Dom Quixote, em sua mais perfeita encarnação.

A tal ponto que se confunde com as ilustrações de Gustave Doré. Explico. Jorge Takla teve um grande achado: tomar gravuras daquele grande artista, que marcaram tantos leitores de gerações diversas, para servirem de cenários. A concepção foi de Nuria Castejon, e era como se os cantores saíssem do livro. Gregory Reinhart e o D. Quixote de Doré pareciam os mesmos. A eloquência das imagens correspondia também à concepção romântica do cavaleiro, que vem de uma peça de Henri Caïn, e não diretamente de Cervantes.

Luisa Francesconi foi, ela também, uma Dulcineia de sonhos, pelo físico, pela voz, pela presença teatral. Compreende-se que D. Quixote pudesse morrer por ela.


Um dos destaques da montagem de Dom Quixote, a mezzo Luisa Francesconi é “uma Dulcineia dos sonhos”

Eduardo Amir assegurou com bonomia o papel do gordo escudeiro Sancho. Mas, enfim, se eu fosse continuar elogiando cada um, a lista ficaria enorme. Assim, todo o elenco, bailarinos, coro, por favor, sintam-se elogiados com entusiasmo.

Mas menciono ao menos a orquestra e a regência de Luiz Fernando Malheiro, tão finos, tão entusiastas, tão belamente sonoros.

Para mim, qualidade na ópera é isso: regência inspirada, vozes expressivas, cantores que são atores, concepção cênica efetivamente dramática e, sem o que ela não vive de fato, tudo levado por vibração e entusiasmo. Foi assim nesse Dom Quixote.

Felizes os cariocas que poderão assistir à mesma produção que irá, em breve, para o Rio.


Em cartaz até o dia 13/3, a produção de Dom Quixote tem enquete aberta no Ouvinte Crítico; participe!

Clássicos Editorial Ltda. © 2016 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Jorge Coli - é professor de História da Arte e da Cultura na Unicamp e colunista da Revista CONCERTO.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046