Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Bom concerto abre temporada 2016 da Orquestra Petrobras Sinfônica (19/3/2016)
Por Nelson Rubens Kunze

Vou falar aqui da Petrobras, mas vou falar de coisa boa! É que, não custa lembrar, a petroleira brasileira mantém desde 1987 – quase 30 anos! – uma orquestra sinfônica no Rio de Janeiro, a Orquestra Petrobras Sinfônica, ou Opes. A orquestra, que neste período trabalhou ininterruptamente, tem algumas particularidades (além do fato de ser mantida pelos recursos de uma estatal): ela é gerida pelos próprios músicos, por meio de um conselho diretor eleito entre seus instrumentistas. O conselho define a orientação do trabalho e seleciona o regente titular e todos os administradores da orquestra. Desde 2004, o maestro Isaac Karabtchevsky reponde pela regência titular e direção artística do grupo.

Vim ao Rio de Janeiro para acompanhar a abertura da temporada 2016 da Opes, que, como em anos anteriores, terá duas séries de assinaturas, Djanira e Portinari, com rico e diversificado repertório e a participação de destacados artistas brasileiros. O primeiro concerto do ano, abertura da série Djanira, foi ontem (18 de março), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, sob direção do maestro titular Karabtchevsky e com a participação do pianista Flavio Augusto. Logo na entrada, uma surpresa: uma fanfarra de metais apresentava-se no saguão principal, uma ação que pretende trazer a orquestra para mais perto de seu público e quebrar um pouco da formalidade do tradicional concerto erudito. (A orquestra tem diversos programas nesse sentido; aliás, exatamente nesse momento, a Opes concorre ao Prêmio Profissionais da Música 2016 por um projeto do ano passado em que seu quinteto de metais apresentou-se em um concerto surpresa em uma cervejaria do Leblon.)

Isaac Karabtchevsky é sem dúvida um de nossos artistas mais brilhantes. Aos 81 anos de idade, o maestro tem gás para desenvolver simultaneamente três projetos: este da Opes no Rio de Janeiro, a direção artística e regência titular da Sinfônica Heliópolis em São Paulo, e o projeto de gravação da integral das sinfonias de Villa-Lobos que realiza com a Osesp.

O programa de ontem iniciou-se com o Uirapuru, de Villa-Lobos, em uma leitura orgânica e sensível. Seguiu-se uma obra pouco ouvida nas salas de concerto, Os quatro temperamentos para piano e cordas, do alemão Paul Hindemith (1895-1963), que contou com a participação do pianista Flávio Augusto. A música, que tem diversas passagens bem camerísticas, teve muito boa execução. Em perfeita sintonia com a orquestra, o solista Flávio Augusto destacou-se por seu bonito toque ao piano e cuidado no acabamento da interpretação.

A Orquestra Petrobras Sinfônica é aplaudida no Theatro Municipal do Rio de Janeiro [Foto: Revista CONCERTO]

A segunda parte do programa trouxe duas obras aparentadas, de dois discípulos de Rimsky-Korsakov: Nikolai Tcherepnin (1873-1945) e Igor Stravinsky (1882-1971). O reino encantado op. 39, de Tcherepnin, foi uma encomenda de Sergei Diaghilev, criador dos famosos Balés Russos, para seu projeto de musicar a lenda russa de Kashai, o imortal, mesmo projeto que levou Stravinsky a escrever a sua primeira obra-prima, O pássaro de fogo. O reino encantado é uma peça de atmosfera misteriosa e sombria, em um só movimento, que, apesar de sua breve duração (cerca de 15 minutos), soa um pouco prolixa. Com seu caráter romântico, ela não tem nada em comum com a energia rítmica, colorida e modernista do Pássaro de fogo de Stravinsky (versão suíte de 1919). O maestro regendo de memória, a orquestra concentrada, os naipes equilibrados e os bons instrumentistas solistas ofereceram uma emocionante interpretação desta que é uma das obras chave do início do século XX.

Nesses tempos conturbados, é bom saber que o nome Petrobras esteja associado também a um projeto cultural de alto nível, que leva a sério a sua missão artística, educativa e de difusão da música clássica.

[Nelson Rubens Kunze viajou ao Rio de Janeiro e assistiu ao concerto a convite da Orquestra Petrobras Sinfônica.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
17/1/2018 - Duo Roberto Taufic - violão e Gabriele Mirabassi - saxofone

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046