Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 23 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Beatriz Alessio e um Gilberto Mendes que dá gosto de ouvir (29/6/2016)
Por Irineu Franco Perpetuo

No ano em que perdemos Gilberto Mendes (1922-2016), surge uma ocasião valiosa e oportuna de avaliar o legado de um dos mais criativos compositores brasileiros de todos os tempos: o disco Beatriz Alessio plays Gilberto Mendes.

Santista, Alessio desenvolveu uma ligação especial com a música contemporânea em geral e com o universo de Mendes em particular, trabalhando suas obras sob a orientação do compositor. Professora de piano e música de câmara da Universidade Federal da Bahia, lançou seu álbum pelo selo italiano Cut Records – mas agora ele chega ao Brasil, felizmente, a preço de CD nacional.


Beatriz Alessio [Foto: divulgação]

Para este disco, ela escolheu registrar os Estudos para piano solo de Gilberto Mendes – oito obras escritas entre 1989 e 2004, a partir de encomenda de José Eduardo Martins. Do ponto de vista estético, se adotarmos a divisão em três fases proposta por Antonio Eduardo Santos no livro O antropofagismo na obra pianística de Gilberto Mendes (Annablume, 1997), todas as obras pertencem ao terceiro período, o de Trans-Formação, no qual, nas palavras de Santos, “Gilberto Mendes encara o sistema atonal como uma projeção e expansão do sistema tonal, promovendo o que ele denomina integração entre os dois sistemas, na medida em que, para o compositor, tonal e atonal não são antagônicos. O resultado é um discurso sonoro que flui naturalmente entre os dois universos harmônicos, dialeticamente”.

Esse jogo dialético e talvez – com perdão da expressão – “pós-moderno” perpassa o CD desde a primeira faixa, Um Estudo? Eisler e Webern caminham nos Mares do Sul, de 1989, em que Mendes parte dos universos díspares de dois discípulos de Schönberg, o alemão Hanns Eisler (1898-1962), com sua música tonal a serviço do comunismo, e o serialista austríaco Anton Webern (1883-1945), de produção abstrata e refinada, para sintetizá-los em um surpreendente final que soa a música hollywoodiana dos anos 1940.

Fazem-se presentes ainda transcrições pianísticas de partituras originalmente escritas para outros instrumentos. Assim, Estudo sobre “A Lenda do Caboclo, a outra” (1992) reelabora uma peça para coro com óbvia alusão à obra homônima de Villa-Lobos, enquanto Estudo sobre “O Pente em Istambul” (1995) nasceu de uma criação original para percussão. Já o precioso Estudo sobre Ulysses (surfando com James Joyce e Dorothy Lamour), de 1991, relê uma das mais emblemáticas criações de Mendes, e recebe aqui uma interpretação especialmente saborosa de Alessio.

Não devemos nos esquecer de que Gilberto estudou piano na juventude, conhecia o instrumento especialmente bem e sabia explorar seus recursos. Do ponto de vista de técnica instrumental, a obra do disco que mais chama a atenção é o Estudo Magno, cujo virtuosísmo possui inequívoco caráter de toccata. Aqui, como no resto do álbum, Beatriz Alessio alia domínio pianístico, profundo conhecimento do universo do compositor, atenção para o peculiar humor de Mendes e aos estilos díspares de suas numerosas alusões e citações, transformando a audição repetida do disco em uma experiência das mais prazerosas.

[O CD Beatriz Alessio Plays Gilberto Mendes pode ser adquirido na Loja CLÁSSICOS. Clique aqui para saber mais]





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

25/10/2017 - Percorso Ensemble

Rio de Janeiro:
26/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
29/10/2017 - Campinas, SP - Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046