Banner 180x60
Boa tarde.
Sábado, 21 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello (23/1/2017)
Por Camila Frésca

Um dos últimos concertos a que assisti em 2016 foi uma feliz descoberta. No dia 11 de dezembro, o Museu Histórico de Santa Catarina, no centro de Florianópolis, apresentou o “Sarau Adolpho Mello”. Foi um momento importante de recuperação do legado do compositor e violinista catarinense Adolpho Ferreira de Mello (1861-1926). Adolpho Mello nasceu em São José da Terra Firme (atual São José), que hoje integra a região metropolitana de Florianópolis. Pouco se sabe sobre sua formação musical, mas ficaram os registros das turnês e apresentações que ele empreendia pelas cidades catarinenses, tocando suas composições e arrancando elogios por suas interpretações. Ficaram também os manuscritos de suas obras, majoritariamente escritas para violino e piano, e um livro editado em 1901: Pequena arte da expressão do violino ou nuanças que fazem a beleza da execução.

A ocasião marcou também o lançamento do livro Adolpho Mello, Legado Catarinense [capa à esquerda] escrito por Mônica Cristina Corrêa e idealizado pela sobrinha-bisneta do artista, Sandra Ferreira de Mello, que há mais de dez anos buscava meios de editar a obra. O livro reuniu dados biográficos e iconográficos, bem como obras de Mello editadas por André de Moura, professor da Udesc. Algumas dessas peças formaram o repertório da noite, interpretadas pelo pianista Pablo Rossi e seu irmão, o ótimo violinista Juan Rossi.

Fiquei surpresa com a qualidade musical e o conhecimento sobre os aspectos técnicos do violino presentes na obra de Adolpho Mello. O evento e o livro foram um primeiro esforço no sentido de investigar mais a fundo a trajetória e a obra desse artista catarinense. Ficou claro, no entanto, que a obra de Adolpho Mello vem se somar a uma rede de instrumentistas que teve uma relevante atuação entre o final do século XIX e a primeira metade do século XX. Ela se encaixa, mais especificamente, numa categoria específica, que foi muito popular na Europa ao longo do século XIX e que teve representantes respeitáveis por aqui também: a dos instrumentistas compositores, violinistas virtuoses que compunham quase que exclusivamente para seu instrumento, e cuja obra nasce diretamente de sua relação prática com o violino. Todos eles possuíam suas ambições estéticas, é verdade. Mas, por outro lado, atuavam também para atender à grande demanda por música de salão, que ficava entre os exageros virtuosísticos dos profissionais e a música possível de se executar por amadores; entre a seriedade da música de concerto e a ligeireza das reuniões sociais.

Se estes músicos compuseram dentro de um âmbito restrito – escreveram obras para violino solo, violino e piano e peças do gênero –, o alcance de sua atuação não pode ser menosprezado. Foram artistas que se tornaram figuras-chave nos ambientes nos quais circularam, já que não apenas trabalharam na composição como também deram aulas, escreveram sobre música e produziram obras didáticas, nas quais demonstraram seu sólido conhecimento da literatura violinística. Dessa forma, foram fundamentais para o desenvolvimento musical das comunidades em que viveram, seja atualizando e difundindo conhecimento, seja incrementando o repertório para seu instrumento.

Juan e Pablo Rossi (segundo e quarto da esq. para a dir., respectivamente) posam entre os organizadores do “Sarau Adolpho Mello” em frente ao violino que pertenceu ao compositor [Foto: divulgação]

Juan e Pablo Rossi se preparam agora para gravar um disco com as peças de Adolpho Mello, o que aumentará significativamente o poder de disseminação de sua obra. Clique neste link para ir ao vídeo com a íntegra da apresentação do dia 11 de dezembro. Quem não puder assistir todo o recital, recomendo correr aos 30’ para conferir uma das peças do compositor, Rapsódia
 





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

31/10/2017 - Orquestra Ouro Preto

Rio de Janeiro:
25/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
29/10/2017 - Vitória, ES - II Festival Sesi de Ópera
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046