Banner 180x60
Boa noite.
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Nasce uma estrela (11/4/2017)
Por Jorge Coli

Nasce uma estrela. Isso ocorreu no Theatro Municipal de São Paulo, durante a apresentação de Fidelio, de Beethoven, ópera dada em forma de concerto. Essa estrela se chama Marly Montoni.

Foi sua estreia naquela nobre sala, e num difícil papel, o de Leonore. Mas quando ela se levantou para sua primeira intervenção, no quarteto do ato 1, quando pronunciou as palavras “O perigo é grande” em tom de angústia melancólica, sentia-se, de imediato, que ali estava a verdade do personagem.

Marly Montoni é muito bonita, tem uma fina elegância natural, gestos nobres e expressivos, e irradia um carisma que atrai os olhares. Nesse sentido, foge das posturas convencionais tão frequentes entre os cantores de ópera e, por assim dizer, cria os seres que encarna a partir de dentro. Antes de qualquer movimento seu, eles já estão lá, em sua alma. Transparecem pelos olhos.


Apresentação de Fidelio no Theatro Municipal de São Paulo [Revista CONCERTO]

Leonore tem uma grande cena, em que canta a ária “Venha, esperança”, precedida do recitativo “Abominável!”, no qual expressa sua indignação contra o poderoso Pizarro. Marly Montoni deu a ela seu timbre aveludado e escuro, que obedece a uma gama infinita de inflexões ao criar matizes dramáticos. Sabe projetar a voz, e nenhuma das intenções musicais escapou ao público, que a saudou com um triunfo de aplausos.

Ricardo Tamura faz uma carreira internacional. Sua voz tem cores muito jovens. Interpretou Florestan: eram evidentes os sinais de cansaço vocal, de grande esforço e imprecisões nas notas altas, com tropeços de vez em quando. Não chegou a comprometer, porém, o conjunto, de qualidade bastante homogênea, com uma distinção para a deliciosa Marzelline de Caroline de Comi, voz de mel, delicada e sedutora. Giovanni Tristacci assegurou muito bem o papel de seu namorado, o ingênuo Jaquino. Carlos Eduardo Marcos impôs seu Rocco, e Douglas Hahn seu sinistro Pizarro.

O sombrio drama político e pessoal de Fidelio termina de maneira eufórica: triunfam a justiça e a razão, ou seja, o Iluminismo. Desde o início, na bela regência de Roberto Minczuk, havia uma luminosidade, um otimismo, que pareciam subjacentes mesmo nos momentos mais cruéis. Como se o maestro exaltasse antes o destino humano positivo do que suas provações desesperadas. Ao explodir o final, estávamos numa festa dionisíaca, maravilhosamente sustentada pelo coro e pela orquestra.

Isso se acentuou no bis, em que o público era convidado a tirar fotos, coisa que o próprio maestro e cantores não se privaram de fazer. A euforia aumentou, todos saíram felizes, levando Beethoven na alma.
 





Jorge Coli - é professor de História da Arte e da Cultura na Unicamp e colunista da Revista CONCERTO.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
15/12/2017 - Nádia Figueiredo - soprano

Outras Cidades:
16/12/2017 - Curitiba, PR - Camerata Antiqua de Curitiba
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046