Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Pesquisa do Projeto Guri mostra resultados importantes (3/5/2017)
Por Camila Frésca

No final de 2016, o Projeto Guri realizou uma pesquisa com seus ex-alunos. O objetivo era conhecer a situação atual daqueles que passaram pelo projeto e o impacto do programa em suas escolhas de vida. O resultado trouxe dados interessantes que merecem ser olhados mais atentamente.

A base da pesquisa foi um questionário quantitativo on-line que abordou questões acerca do perfil dos ex-alunos (sexo, idade, permanência no Guri, data e motivo de saída), sua situação atual (prática musical, estudos e profissão) e o impacto do Guri em sua vida. O questionário foi disponibilizado por meio das redes sociais do Projeto Guri (Facebook e Twitter) entre agosto e setembro de 2016, resultando numa amostra de 759 ex-alunos, que responderam de forma espontânea. As mulheres foram maioria em relação aos homens (56%); as faixas etárias predominantes, dos 15 aos 19 anos (43%) e dos 20 aos 24 anos (37%); os principais cursos que os ex-alunos realizaram durante seu tempo de Guri foram canto coral (41%), violão (29%) e violino (21%); e a maior parte deles (44%) permaneceu no Projeto por três anos ou mais – o principal motivo de saída é o atingimento da maioridade (34%).

Um dado muito bacana levantado pela pesquisa é o de que mais da metade dos respondentes, ou 66%, continua com a prática musical, sendo que 42% deles tocam o instrumento aprendido no Guri e 24% tocam este e outros instrumentos. A pesquisa quis saber desses 66% quantos se tornaram ou se tornarão profissionais da música: 32% afirmaram que não, que realizam estudos em outra área e somente praticam música por lazer; já 21% afirmaram que sim (estudam para ser músicos profissionais); 18% afirmaram que são profissionais de outra área e somente praticam por lazer; 15% afirmaram ser músicos profissionais; 8% combinam a profissão de músico com outra atividade profissional; e 6% combinam a profissão de músico com estudos em outra área. De forma resumida, pode-se dizer que dois terços dos ex-alunos que responderam a pesquisa continuaram praticando música após sair do Guri e, desse percentual, quase metade é ou quer se tornar músico profissional. A pesquisa ainda levantou que existe uma relação direta entre a prática musical e a permanência dos ex-alunos no Projeto: quanto maior é o tempo de permanência, maior é a proporção de ex-alunos que continuam tocando atualmente. Uma curiosidade: a música, como área de estudo, foi uma das menos escolhidas pelos ex-alunos que declararam apenas estudar ou apenas trabalhar. Já entre os que declararam estudar e trabalhar, ela foi a opção mais citada.


Fotos de atividades do Projeto Guri [Divulgação]

Outro ponto levantado pela pesquisa foi o impacto que o Projeto Guri teve na vida dos ex-alunos. Quando questionados, de forma genérica, sobre a importância de ter participado do Projeto, 80% deles consideraram que o Guri teve muita importância para sua vida, enquanto 17% o consideraram importante. Ou seja, 97% dos ex-alunos que participaram espontaneamente da pesquisa consideraram que o Projeto Guri foi muito importante ou importante para suas vidas. Os motivos dessa importância foram a ampliação de seu repertório musical e a ajuda em melhorar a disciplina, confiança, autoestima e as relações sociais.

No relatório que acompanha a pesquisa, é recomendada uma leitura cautelosa dos resultados por tratar-se de uma amostra espontânea, na qual predominam ex-alunos com longa permanência no Projeto, bem como como aqueles que mantêm um contato estreito com o Guri. De qualquer forma, são resultados auspiciosos que apontam para o cumprimento do grande objetivo do Projeto Guri, que é ter um papel relevante na formação de crianças e jovens enquanto cidadãos, ampliando seus horizontes. Como efeito colaterais, ainda podem ser apontados a vivência na música de forma mais intensa, por meio da prática e não apenas do consumo; a abertura de uma possibilidade profissional; e a formação de uma geração mais preparada para interpretar os sons que lhes chegam aos ouvidos.

[A pesquisa completa pode ser acessada aqui]





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Novembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2
 

 
São Paulo:

28/11/2017 - Ópera Tres sombreros de copa, de Ricardo Llorca (estreia mundial)

Rio de Janeiro:
29/11/2017 - Valentina Lisitsa - piano

Outras Cidades:
23/11/2017 - Goiânia, GO - Orquestra Filarmônica de Goiás
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046