Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sábado, 18 de Novembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro (3/7/2017)
Por Irineu Franco Perpetuo

Efemérides costumam oferecer um bom pretexto para reavaliar, divulgar e refletir a respeito de autores e obras que integram ou deveriam integrar o cânone de uma determinada cultura. No Brasil, como nossos compositores eruditos estão quase todos fora do cânone, cada “data redonda” representa uma oportunidade a não ser desperdiçada – sabe-se lá quando vai se repetir.

Em 2017, temos visto saudáveis lembranças dos 130 anos de nascimento de Villa-Lobos, dos 120 de Mignone e dos 250 de José Maurício Nunes Garcia, enquanto, infelizmente, não se percebem (ou, pelo menos, não apareceram no meu radar) festejos significativos dos 170 de Chiquinha Gonzaga, dos 90 de Osvaldo Lacerda ou dos 120 de Lorenzo Fernandez.

E essa ave rara chamada “compositor vivo”? André Mehmari completou 40 anos no final de abril; motivada ou não pela efeméride, a Osesp encomendou-lhe umas Variações Concertantes sobre um tema de Ernesto Nazareth, estreadas na Sala São Paulo na semana passada, no âmbito do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.


André Mehmari [Divulgação / Maristela Martins]

Encomendas e performances de grupos brasileiros de ponta têm constituído a doce rotina de Mehmari. Uma lista extensiva nem caberia aqui. Tenho especial apreço pelo Quinteto Angelus [Assista aqui]  de 2005, que ele gravou com o Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo – mesmo grupo que, no ano passado, tocou seu engenhoso Re:Cordade [Assista aqui]. Em 2015, a Filarmônica de Minas Gerais, sob regência de Fabio Mechetti, intepretou seu Divertimento [Assista aqui], e a relação com a Osesp remonta a 2006, quando um visionário John Neschling teve a coragem de encomendar a um compositor de menos de 30 anos de idade, que, ainda por cima, era acusado de vir da “música popular” (que, incrivelmente, continua a ser um estigma no Brasil do terceiro milênio), a Suíte de Danças Reais e Imaginárias [Assista aqui].

Nas Variações Concertantes, Mehmari revisita o universo de um dos compositores brasileiros com que mais identifica: Ernesto Nazareth (1863-1934), pianista-compositor como ele, também como ele na fronteira entre popular e erudito, cuja produção releu de forma imaginativa e inspirada no disco Ouro sobre Azul [Disponível na Loja CLÁSSICOS], lançando mão do jogo de citações que é uma das marcas registradas de sua poética.

A obra toma como ponto de partida um dos mais célebres “tangos brasileiros” de Nazareth – Fon-fon!, de 1913 –, como tema de variações que seguem, de uma certa forma, o gestual fluente, vertiginoso e bem humorado que acompanha Mehmari em suas apresentações para piano solo.

Obviamente, há diferenças entre o Mehmari solitário em seu banquinho e o que redige pautas para as dezenas de músicos da Osesp. Enquanto, ao vivo, ele pode ter inspirações súbitas e seguir o sabor do momento, a escrita orquestral é avessa a improvisações, representando a cristalização e a consolidação de um processo que parece estar em pleno andamento quando André está ao teclado.

Ouvi a obra na última sexta-feira, dia 31, e saí com a impressão de que Mehmari atingiu o equilíbrio justo entre a disciplina e organização da música sinfônica e a sensação de leveza, bom humor e liberdade do universo popular (embora ainda queira ouvir as Variações regidas por alguém com mais jogo de cintura e familiaridade com a música brasileira do que Marin Alsop). Não se trata de uma transcrição da leitura de Fon-fon! que ele já fez ao piano solo [Assista aqui], mas de uma obra bem mais extensa, e de maior fôlego, que demonstra seu inegável amadurecimento como compositor. Longe de serem gratuitas, as citações inseriam-se com organicidade no discurso musical; foi especialmente feliz a sobreposição de um trecho do primeiro movimento das Bachianas brasileiras nº 4, de Villa-Lobos, e Odeon, de Nazareth, demonstrando a mão firme de um compositor cada vez mais consciente de seus processos criativos e seguro no manejo da massa orquestral. O menino-prodígio da fita cassete e caneta no papel virou um sólido compositor adulto da era digital, para ser acompanhado de perto, e com atenção.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Novembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2
 

 
São Paulo:

19/11/2017 - Coral Jovem do Estado

Rio de Janeiro:
27/11/2017 - Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica Brasileira

Outras Cidades:
30/11/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046