Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil (24/7/2017)
Por Irineu Franco Perpetuo

Em um ano em que os gestores brasileiros parecem competir para ver quem causa a maior devastação no meio musical, o décimo aniversário de um programa como o Neojiba (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia) soa como a mais animadora das improbabilidades. Parte mais visível do projeto, a Orquestra Juvenil da Bahia tocou no último sábado na Sala São Paulo, no âmbito do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, sob o comando de seu criador e diretor – Ricardo Castro.

[Divulgação / Lenon Reis] 

Não, não se trata de mais uma das belas orquestra jovens que vêm florescendo por aqui nos últimos anos – embora já tenha feito turnês internacionais, e se apresentado ao lado de sumidades como Midori, Maxim Vengerov, Jean-Yves Thibaudet, Maria João Pires e uma certa Martha Argerich. Na edição de julho da Revista CONCERTO, João Luiz Sampaio entrevista Castro e dá alguns números do programa. O Neojiba beneficia, direta ou indiretamente, 4.300 crianças, adolescentes e jovens, entre 4 e 29 anos – a maioria em situação de vulnerabilidade social; 85% se autodeclaram pardos ou negros, e 74% das famílias conta com renda de até dois salários mínimos.

Declaradamente inspirado no El Sistema, da Venezuela, o programa tem como ponto de partida a prática coletiva, e o conceito de multiplicação: no momento em que começa a aprender um instrumento, cada membro do Neojiba leva esse aprendizado a outras pessoas, outros núcleos.

Quando essa orquestra com as caras e as cores do Brasil subiu ao palco da Sala São Paulo para executar o Prélude à l’après-midi d’un faune, de Debussy, a primeira surpresa foi a disposição dos instrumentos: harpas e sopros à frente, cordas atrás. Depois, a falta de estantes de partituras. A peça foi tocada de cor, sem regente, e com um esboço de coreografia, com as cordas se levantando em determinado instante (quando a orquestra se apresenta em Salvador, a coreografia de Lia Robatto, incluindo evoluções dos músicos em cena, é executada por inteiro). O nervosismo, por certo, traiu alguns dos executantes, mas a interpretação não foi desprovida de beleza.

Em seguida, entrou em cena Ricardo Castro, para dirigir, do teclado, o Concerto para piano nº 2, de Beethoven. E será que, aqui no Brasil, temos a real dimensão da grandeza, e valorizamos da forma devida e merecida um artista do quilate desse pianista baiano? Comando do teclado, maturidade musical, profundidade interpretativa, senso de estilo: Castro é um mestre consumado de sua arte. Fazendo música desse nível, poderia “só” tocar piano, e desfrutar dos louros de uma bela carreira internacional. Mas cruzou o Atlântico de volta, da Europa para o Brasil, e implementou um programa que mereceria ser emulado e replicado em todas as unidades da federação.

O Neojiba não apenas é inspirado no El Sistema, como busca intercâmbio com a iniciativa do país vizinho. Assim, no concerto de Beethoven, o “spalla” foi o jovem venezuelano Eduardo Salazar. Salazar demonstrou uma sonoridade rica no bis que deu com Castro, a Dança dos espíritos abençoados, da ópera Orfeu e Eurídice, de Gluck (que Nelson Freire sempre toca, na versão para piano solo, e que Emmanuel Pahud executou recentemente, da forma original, para flauta, na série da Cultura Artística), e assumiu a batuta na peça mais ambiciosa do programa: a Quinta sinfonia de Shostakovitch.

Nos dois primeiros movimentos, a orquestra ainda se revelou algo titubeante, como que sentindo a acústica da Sala São Paulo e se experimentando dentro dela. A partir do terceiro movimento, porém, os jovens músicos parecem ter adquirido confiança, atingindo resultados surpreendentes e empolgantes. Salazar construiu um belo arco dramático no Largo, o coração emocional da obra, jogando de maneira exemplar com as dinâmicas da partitura, e soube conduzir os instrumentistas ao longo das dificuldades da partitura. Pelo vigor, energia e capacidade de comunicação, é um nome a ser observado, que talvez fosse bom ver por aqui com maior frequência.

Ao final, nem o mais cético e empedernido dos corações presentes à Sala São Paulo conseguiu não se emocionar e se render ao exemplo oferecido pelos bravos talentos vindos da Bahia. Se o Brasil de hoje é o domínio de trevas que parecem se adensar e aprofundar sem remissão, o Neojiba permite entrever a luz da esperança que há de nos conduzir ao futuro.

Veja outras fotos do Neojiba na Sala São Paulo:


Fotos: [Divulgação / Lenon Reis]





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

25/2/2018 - Coro Infantil da Osesp e Coro Juvenil da Osesp

Rio de Janeiro:
20/2/2018 - Adriana Ballesté - violão

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046