Banner 180x60
Boa tarde.
Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência (19/12/2017)
Por João Marcos Coelho

A cada ano, a temporada de concertos internacionais da série Tucca torna-se mais relevante. Praticando uma saudável mistura entre a música de concerto e outros gêneros, ela acaba funcionando como um espaço privilegiado onde se pode acompanhar apresentações diferenciadas que em geral não chegam por aqui. Não porque sejam inacessíveis, mas porque poucos pensam de modo criativo na elaboração das séries musicais da cidade.


Brandford Marsalis [Divulgação / Eric Ryan Anderson]

Em 2018, vale a pena chamar a atenção para o equilíbrio conquistado entre estes dois pêndulos da temporada. De um lado, os clássicos são representados por atrações de primeiro nível, como o contratenor Andreas Scholl (setembro) numa inusitada parceria com um virtuose do bandolim, Avi Avital. Ambos estão em momentos excepcionais em suas carreiras. A violinista Sarah Chang sola com a orquestra de câmara do Concertgebouw (agosto) completa o cardápio clássico.

Com em pé no erudito e outro no jazz, o maravilhoso duo da soprano Natalie Dessay com um dos músicos mais notáveis e inclusivos do nosso tempo, Michel Legrand, tem tudo para encantar nossos ouvidos em março.

E, mais claramente centradas no clima jazzístico,  duas ótimas cantoras: Stacey Kent e o sax-tenor Jim Tomlinson aliam-se à Orquestra Jazz Sinfônica (junho); e Dianne Reeves vem em outubro.

Mas a maior atração de 2018 da Tucca sem dúvida é o quarteto de Branford Marsalis, saxofonista e irmão mais velho de Wynton. Branford tem ciscado bastante no domínio da música contemporânea. Uma de suas aventuras mais extraordinárias é o CD gravado ao vivo em 2014 “In my solitude: live at Grace Cathedral” em São Francisco – a mesma igreja que acolheu um dos Concertos Sacros de Duke Ellington nos anos 1960. É maravilhoso o modo como seu saxofone explora as reverberações do átrio monumental da catedral para nos levar a uma viagem inclusiva inesperada. Ela passa por clássicos do american songbook, como “Stardust”, acena com clássicos como o “Poco Adagio” da “Sonata em lá menor para oboé Wq. 132, de Carl Philipp Emanuel Bach e salpica, entre umas e outras, improvisos, música criada sob o impacto de uma acústica privilegiada. Branford se alterna entre o soprano, o tenor e o alto.

Por tudo isso, acrescente a seu cardápio pessoal da temporada 2018 de música em São Paulo ao menos três das atrações da Tucca: os duos Dessay/Legrand e Scholl/Avital; e o quarteto de Branford Marsalis.

[Clique aqui para ouvir Brandford Marsalis em “Who needs it”, no YouTube.]

[Clique aqui para mais informações da temporada da Tucca.]





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046