Banner 180x60
Boa noite.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Tortelier, Osesp e o vácuo do poder (9/3/2009)
Por Leonardo Martinelli

A sala: Para quem adentrou a Sala São Paulo entre a última quinta-feira e sábado tudo estava praticamente igual: a audiência, que aos poucos lota seus corredores, alguns músicos circulando como aves raras pelos saguões, o tilintar de pratos e copos e todo este cerimonial não institucionalizado que naturalmente antecede cada espetáculo. Nos bastidores, ainda é possível ver pôsteres de antigos cartazes ostentando nomes familiares, mas necessariamente pretéritos. Dentre os quais, salta aos olhos o de John Neschling. Mesmo nos vídeos institucionais exibidos nas televisões do saguão foi possível flagrar, por um átimo, a imagem do regente carioca à frente da orquestra paulista. Mas rapidamente a comunicação se retificava, com as palavras “nosso maestro” flutuando sobre a imagem de Yan Pascal Tortelier.

O maestro: Os músicos adoraram, o público aclamou e a crítica especializada ratificou, e de fato, a estréia de Tortelier foi um grande – e previsível – sucesso. Regente de talento e com carreira internacional consolidada, Tortelier é, a sua forma, carismático, e sua aclamação nada mais natural a uma audiência acostumada a diferentes regentes e solistas e a um povo naturalmente acolhedor.

Regendo de cor, Tortelier não decepcionou ao interpretar um repertório escolhido por ele próprio para esta ocasião tão especial. Com as Variações Enigma, de Elgar, o maestro francês demonstrou seu controle de nuanças e matizes da escrita orquestral, e com a Sinfonia nº 2, de Rachmaninov, sua capacidade de conferir fluidez a uma obra de grandes proporções.

Jogando no time dos regentes orquestrais “sem batuta”, Tortelier faz da regência uma verdadeira coreografia, onde seus dedos expressam as sutilezas, suas mãos o controle, e seus braços o tempo musical. E quando não há mais gestos que dêem conta, o maestro estende sua coreografia às pernas, chegando mesmo a pular nos momentos mais empolgantes da partitura.

A engrenagem: Tortelier é o regente-principal da Osesp (ou regente titular interino, como também se anuncia). Isto significa, que caberá a ele conduzir os principais programas e a manter a engrenagem performática da Osesp em movimento. Mas, como num grande relógio, a performance é apenas os ponteiros, e todos sabem que o que faz eles se movimentarem são as engrenagens escondidas por detrás da superfície. Se antes a condição de regente titular e diretor artístico acumuladas por Neschling garantiam (para o bem ou para o mal) a integração da superfície com a infra-estrutura, a mudança – por ora anunciada como temporária – desta estrutura de funcionamento resulta num vácuo de poder com conseqüências imprevisíveis já em médio prazo.

Por ora, as coisas caminharão acompanhando a inércia do trabalho feito nos últimos dois anos (inclusa a programação deste e do ano que vem). Porém, enquanto a função e as atribuições de real diretor artístico não se definem, fica um hiato potencialmente problemático tendo em vista que o conselho de administração da Osesp não tem (e nem é esta sua função) a competência artística necessária para o assunto. Mesmo a inserção de especialistas estrangeiros no conselho não garante a estabilidade necessária, na medida em que eles agirão mais como consultores, não necessariamente integrados no dia-a-dia da orquestra e não familiarizados com as peculiaridades da cena musical brasileira. Por outro lado, a promoção de funcionários burocráticos (ainda que com pontos artísticos em suas biografias) à direção artística não pode ser encarado como alternativa.

Em resumo, excelentes regentes não faltam no mundo (e alguns deles são brasileiros). Mas o que a Osesp precisa agora não é só de um maestro, mas de um eixo e força motriz que seja capaz de atuar nas diferentes frentes desta fantástica engrenagem musical que se tornou esta orquestra.

E o futuro...: De mesma forma que a entrada de Neschling na Osesp foi algo revolucionário, assim também será sua saída. Mas, dos muitos perigos inerentes a um movimento revolucionário, o maior deles é o da contradição, isto é, onde os revolucionários incorrem nos mesmos pecados do regime derrubado.

Em seu conto de fadas pós moderno “A revolução dos bichos” (Animal Farm), o escritor inglês George Orwell faz uma lúcida análise dos pecados da revolução soviética ao fazer de personagens e fatos históricos base para sua fábula, onde galinhas, cães raivosos, cavalos e porcos simbolizam os diferentes estratos da sociedade russa, no texto metaforizada em uma fazenda onde os animais expulsam os opressores humanos do poder.

Porém, pouco a pouco, os porcos – então responsáveis pela gestão da fazenda – vão mudando as leis, passam a se cercar de privilégios, a usar roupas humanas e, no ápice de sua embriaguez de poder, tornam-se iguaizinhos aos humanos.

Assim é a humanidade.

Mas enquanto o futuro não vira história (e espera-se que ele seja bem diferente desta fábula), bonne chance et soyez bienvenue, monsieur Tortelier!





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046