Banner 180x60
Boa noite.
Segunda-Feira, 11 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Classical music: for English speakers only (28/4/2009)
Por Leonardo Martinelli

Em meio ao verdadeiro deserto que é a indústria fonográfica brasileira, a “novidade” surge como um verdadeiro oásis: a Sony Classical lança no Brasil o álbum “A State of Wonder” (numa tradução livre, algo como “Em estado de graça”), no qual se reúnem as lendárias gravações que o pianista canadense Glenn Gould (1932-1982) realizou das “Variações Goldberg”, de Johann Sebastian Bach.

Trata-se de um álbum único, pois além das gravações que Gould fez da obra em 1955 (esta um marco na história do disco clássico) e em 1981, há ainda um terceiro CD com uma entrevista com Gould e mais doze minutos de takes que não foram utilizados na gravação de 1955. Tudo isso fabricado na Zona Franca de Manaus e, por isso, acessível. [Clique aqui para ver detalhes.] Quero dizer, ao menos o preço é acessível, pois essa produção made in Brazil volta a incorrer num velho pecado, isso é, simplesmente republicar o material fornecido pela matriz estrangeira, sem qualquer adaptação para o mercado nacional.

A discussão sobre o termo “música erudita” (que praticamente só existe no Brasil) é velha, mas casos como esses não nos ajudam a desfazer a falsa imagem de que a música clássica é um produto elitizado.

Por um lado, nas salas de concertos, músicos e produtores brasileiros há anos têm se empenhado em ampliar a difusão da música de concerto elaborando novas formas de apresentação, imprimindo notas de programa para explicar o repertório e investindo quantias consideráveis em legendas em tempo real de ópera e oratórios. Pelo outro, os executivos das grandes gravadoras atuantes in terra brasilis – isto é, Universal Music (dona da Deutsche Grammophon), EMI e Sony – ainda não acordaram para a necessidade da tradução dos libretos que encartam em seus produtos (quase sempre em inglês), ou mesmo nas legendas em português de DVDs de ópera impressos no Brasil (temos que, no máximo, nos contentar com legendas em espanhol).

Colocando no papel, os custos que essa adaptação traria seriam ínfimos frente ao total investido, e potencialmente haveria uma ampliação do mercado consumidor. Em termos culturais (que, compreensivelmente, não constam na agenda de uma multinacional) o ganho seria incalculável ao oferecer ao público uma informação clara e direta, incluso aí um extenso léxico musical em português, não raro substituído por estrangeirismos desnecessários.

Dá para rimar música, educação e negócios? Sim! Mas, para isso, temos de prosear em bom português. Understood?





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Escola de Música Villa-Lobos

Outras Cidades:
21/12/2017 - Goiânia, GO - Ópera Carmen, de Bizet
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046