Música clássica no verão dos trópicos

por Leonardo Martinelli 30/12/2008

As propagandas na televisão, jornais, revistas e rádios insistem: verão combina com praia, cerveja gelada, carro novo, roupas caras e corpos sarados e seminus. E muita, muita música ruim. Definitivamente, uma paisagem quase alienígena para um habitué de salas de concertos e casas de ópera. Entretanto, se ao calorão que por esses trópicos faz em janeiro podemos associar uma ingrata estiagem de boa música - com nossas principais orquestras e sociedades de concertos gozando de umas merecidas férias - saiba que não precisa fuçar muito para achar vários oásis em meio a este deserto cultural.

Esses oásis existem devido a um fato muito curioso: músicos tendem a não saber o que a palavra "férias" e variações (fim-de-semana, feriado, etc.) significam. Isso é, aquele punhado de dias livres que aparece entre o Ano Novo e o Carnaval invariavelmente é preenchido com mais música, em especial, pelos diversos festivais que cada vez tomam corpo país afora.

No Brasil a tradição do festival de música iniciou-se com a temporada de inverno, tendo o famoso festival de Campos do Jordão como evento seminal. Porém, já faz alguns anos que os festivais de verão têm ganhado força. Se num primeiro instante eles tinham uma tendência fortemente didática, cada vez mais eles têm proporcionado bons espetáculos, abertos para o público em geral.

Vem do Paraná o pioneirismo dos festivais de verão brasileiros, com a Oficina de Música de Curitiba. Em sua 27ª edição, a capital paranaense se tornou, ao longo desses anos, referência para esse tipo de evento, por mais que ele tenha sofrido com as mudanças da política cultural local. Atualmente sob a direção de Janete Andrade, o festival confirma sua vocação ao ecletismo, ao oferecer atividades e espetáculos em diversas frentes além da música de concerto tradicional, tal como em música antiga e popular.

Outro festival que tem cada vez mais chamado a atenção pelos concertos que realiza é o Festival Música nas Montanhas, da cidade mineira de Poços de Caldas. Sob a direção do maestro Jean Reis, ao longo dos últimos dez anos tem investido na excelência de seu corpo docente com grandes nomes da cena clássica brasileira que, por fim, acabam tomando parte nas apresentações.

Entretanto, vem novamente do Sul outro festival que tem solidificado sua reputação no meio musical, isso é, o Festival de Música de Santa Catarina (Femusc). Sob a direção artística do oboísta e regente Alex Klein, o evento ocorre na cidade de Jaraguá do Sul e, apesar de seu pouco tempo de existência, tem atraído vários estudantes do exterior.

Nesse contexto, é curioso notar que São Paulo - tanto a cidade, quanto o Estado - não tenha nenhum evento do gênero para amenizar um pouco a estiagem musical que assola a megalópole. Será que um dia novas brisas passarão a soprar por essas terras nessa época do ano?

Serviço:
XVII Oficina de Música de Curitiba (de 7 a 21 de janeiro): www.oficinademusica.org.br
Festival Música nas Montanhas (de 4 a 17 de janeiro): www.festivalmusicanasmontanhas.com.br
Festival de Música de Santa Catarina, Femusc (de 22 de janeiro a 4 de fevereiro): www.femusc.com.br/09/

00-verao_grande.jpg