Concerto apresenta obras polêmicas de Jorge Antunes

por Redação CONCERTO 15/12/2011

No dia 16 de dezembro, às 20 horas, a Sala Cassia Eller, da Funarte de Brasília, receberá o maestro Jorge Antunes para um concerto original e monográfico de suas obras. Com o título “Jorge Antunes, um compositor subversivo”, o concerto contará com a participação do grupo Gemunb, dirigido pelo compositor e formado por voz, clarinete, saxofone, violino, viola, violoncelo, piano e eletrônica.

 

Entre as obras estão Cabra da peste, composta em 1964 e censurada na época, Seis Missivas BB, sobre cartas do Banco do Brasil que negavam apoio a seus projetos, e Três impressões cancioneirígenas, que ironiza com o conservadorismo dos próprios músicos, colegas do compositor, e com o preconceito dos eruditos para com a música popular.

Autor de obras como a ópera Olga, Jorge Antunes é um precursor da música eletroacústica no Brasil, tendo introduzido o teremin em suas composições ainda na década de 1960. Realizou os estudos musicais tradicionais na Universidade do Brasil (atual UFRJ): violino, composição e regência. A partir de 1961 iniciou pesquisas no domínio da correspondência entre os sons e as cores e desenvolveu uma técnica de composição a que dá o nome de Música Cromofônica.

Antunes fez cursos de aperfeiçoamento em Buenos Aires, Utrecht e Paris, estudando com Ginastera, Kröpfl, Gandini, Koenig, Bayle, Reibel e Schaeffer. Desde 1973 é professor da Universidade de Brasilia, onde dirige o Laboratório de Música Eletroacústica e ensina Composição e Acústica Musical. Entre 1976-77 terminou seu doutorado na Universidade de Paris VIII, sob a orientação de Daniel Charles.

Apesar de compor música eletroacústica, possui um catálogo instrumental muito vasto que inclui muitas obras sinfônicas, música de câmara e duas grandes óperas.