Lorin Maazel regerá Festival Beethoven da Orquestra Sinfônica Brasileira

por Redação CONCERTO 01/08/2011

Está confirmado: o maestro Lorin Maazel substituirá Kurt Masur nos concertos do Festival Beethoven da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB). Os sete concertos do Festival Beethoven, que a partir do próximo dia 10 de agosto marcarão a abertura da temporada 2011 da OSB, serão todos regidos por Maazel – assim, não acontecerá mais a participação do maestro Roberto Minczuk como originalmente programado.

 

Lorin Maazel é um dos mais extraordinários e brilhantes maestros da atualidade. Nascido na França em 1930, filho de judeus norte-americanos, Maazel cresceu nos Estados Unidos. A partir da década de 1960, o maestro trilhou uma carreira ímpar que o levou a dirigir as maiores orquestras do mundo. De 2002 a 2009, Lorin Maazel foi diretor artístico e regente titular da Filarmônica de Nova York.

O maestro Lorin Maazel substituirá Kurt Masur que, de acordo com seu representante, teve de cancelar sua viagem ao Brasil em razão de problemas de saúde [leia aqui]. Os concertos revestem-se de uma importância especial, já que serão os primeiros eventos públicos da OSB após a grave crise que a orquestra vem atravessando desde o começo do ano. Desentendimentos entre os artistas e a Fundação OSB levaram à demissão de mais de 30 músicos, que então passaram a exigir a saída do maestro Roberto Minczuk. O maestro acabou pedindo demissão de seu cargo de diretor artístico (Minczuk, contudo, segue regente titular) e a Fundação OSB contratou Fernando Bicudo e Pablo Castellar para uma gestão compartilhada. A dupla encaminhou uma generosa proposta de reconciliação – que entre outras questões contempla a readmissão de todos os demitidos [leia aqui] – e agora conseguiu viabilizar a substituição de Masur por Maazel.

Em resposta a reclamações de músicos que veem na contratação de Maazel uma tentativa de abafar a crise, Fernando Bicudo escreveu no Facebook: “Temos que encontrar soluções, através do diálogo, sem radicalismos. Assim como temos o maior respeito com os músicos, também temos que respeitar os nossos compromissos com o público, com os assinantes que adquiriram suas assinaturas para assistirem ao Festival Beethoven. Agora, ao conseguirmos viabilizar a regência do extraordinário Lorin Maazel, estamos procurando contribuir para a gloriosa história da OSB”. E, mais adiante, em relação à nova proposta de conciliação, Bicudo podera: “Atendemos aos anseios e pedidos dos músicos, exceto à decisão do Conselho Curador da FOSB de demitir o maestro Roberto Minczuk, que já não comanda a Direção Artística e se encontra apenas como regente titular. Criamos um novo corpo estável dentro da OSB para podermos receber de volta todos os músicos afastados, para solucionar o mais emergencial dos problemas, que é a sobrevivência financeira de músicos que dependem do recebimento de seus salários da OSB. Buscamos uma reaproximação com todos,  uma solução que atenda não só aos 33 músicos afastados, mas também aos interesses e empregos dos 59 músicos que estão ensaiando na OSB e ao público que adquiriu suas assinaturas para o Festival Beethoven”.