OSB apresenta proposta para readmissão de todos demitidos

por Redação CONCERTO 26/07/2011

A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira (Fosb) divulgou nesta tarde uma proposta para a readmissão dos 33 músicos demitidos no primeiro semestre. Como amplamente noticiado, os músicos boicotaram uma avaliação de desempenho proposta pela direção da orquestra gerando uma crise que resultou na demissão “por justa causa” de mais de 30 instrumentistas. O episódio teve grande repercussão levando ao cancelamento de grandes solistas e, em decorrência disso, ao adiamento da abertura da temporada. Os músicos também reivindicavam a saída do maestro Roberto Minczuk, que na semana passada pediu demissão da direção artística [leia aqui]. Minczuk segue regente titular do grupo.

 

A proposta agora feita foi elaborada pelos novos diretores artísticos, Fernando Bicudo e Pablo Castellar, e busca finalmente reconquistar a confiança dos músicos e restabelecer o vínculo da OSB com a comunidade musical carioca. Pela proposta, todos os 33 demitidos poderão retornar à orquestra “através de um novo corpo artístico que será criado pela Fundação, sem a regência do maestro Roberto Minczuk, sem a necessidade de avaliações de desempenho e mantendo o mesmo regimento interno e piso salarial originais”. Destes 33 músicos, 12 serão pré-selecionados pela direção artística em conjunto com a comissão de músicos para os quadros da OSB. Esta reintegração ao corpo orquestral “se dará mediante a adesão ao novo regimento interno e a realização de avaliações de desempenho em formato de música de câmara”.

Conforme o comunicado distribuído, “a Fundação OSB acredita que, com esta proposta, abre mais uma possibilidade real de conciliação e torce por um retorno positivo dos músicos”.

Leia a seguir a íntegra da nota distribuída pela assessoria de imprensa da OSB:

Fundação OSB apresenta proposta para a reintegração de todos os músicos afastados

A Fundação OSB apresentou hoje à presidente do Sindicato dos Músicos, Deborah Cheyne, uma proposta com o objetivo de reintegrar os 33 músicos afastados da orquestra. O documento, elaborado pelos novos diretores artísticos, Fernando Bicudo e Pablo Castellar, contempla as principais solicitações feitas pelos músicos e prevê, inclusive, opções aos que não têm mais interesse em retornar aos quadros da Instituição. A proposta permite que os músicos escolham entre três alternativas e a decisão pode ser individual ou coletiva:

1- Todos os 33 músicos serão reintegrados imediatamente à FOSB, através de um novo corpo artístico que será criado pela Fundação, sem a regência do maestro Roberto Minczuk, sem a necessidade de avaliações de desempenho e mantendo o mesmo regimento interno e piso salarial originais. A Instituição também cuidará de realizar o pagamento dos salários retroativos referentes a todo o período de negociações, descontando apenas um mês de suspensão. Os músicos deste grupo não necessitam ter dedicação exclusiva à OSB, podendo participar de outras atividades e orquestras, desde que cumpram o número de funções estabelecidas pelo Regimento Interno.

2- Todas as demissões por justa causa serão revertidas em demissões sem justa causa, com o recebimento das indenizações cabíveis, para os músicos que optarem por não retornar à Fundação OSB.

3- Reintegração de 12 músicos pré-selecionados pela direção artística em conjunto com a Comissão de Músicos da OSB, levando em consideração as necessidades atuais da orquestra. Este retorno ao corpo orquestral se dará mediante a adesão ao novo regimento interno e a realização de avaliações de desempenho em formato de música de câmara. Todos os demais poderão escolher entre as duas primeiras opções.

A Fundação OSB acredita que, com esta proposta, abre mais uma possibilidade real de conciliação e torce por um retorno positivo dos músicos.