Pianista Anna Stella Schic falece na França

por Redação CONCERTO 02/02/2009

A grande pianista brasileira Anna Stella Schic faleceu ontem, 1º de fevereiro, em Nice, na França, onde residia desde 1971. Anna Stella Schic tinha 86 anos.

Anna Stella Schic está entre os maiores pianistas brasileiros de todos os tempos. Nascida em Campinas, a 30 de junho de 1922 (a data de 1925, que consta em muitos registros e enciclopédias, está incorreta, conforme a própria pianista contou em entrevista à Revista CONCERTO em 2001 - leia abaixo), Schic foi aluna de José Kliass, em São Paulo. Depois, aperfeiçoou-se com Marguerite Long em Paris. Casou-se com o musicólogo francês Michel Philippot (1925-1996), com quem esteve no Brasil em meados da década de 70.

Durante a sua carreira, Anna Stella Schic recebeu diversos prêmios e condecorações internacionais e tocou em importantes salas de concerto de todo o mundo. Na Europa, apresentou obras de compositores brasileiros como Cláudio Santoro, Camargo Guarnieri, Almeida Prado, Francisco Mignone, Jorge Antunes e Marlos Nobre. Conheceu Heitor Villa-Lobos, com quem teve a oportunidade de estudar a interpretação de sua próprias obras, tocando muitas delas em primeira audição e sob sua direção. Mais tarde, Anna Stella fez a primeira gravação integral da obra para piano de Heitor Villa-Lobos (Selo Fy-Solstice).

No Brasil, em 1976, foi encarrregada de organizar e dirigir o setor de ensino de piano da recém inaugurada Unesp e, em 1979, deu cursos de estética e piano na Uni-Rio. Anna Stella Schic era membro da Academia Brasileira de Música.

A coleção "Música de CONCERTO" da Revista CONCERTO distribuiu, em 2002, um CD de Anna Stella Schic interpretando de Mendelssohn a Sonata nº 1 e os Seis Prelúdios e Fugas op. 35.

Em 2001, em sua última visita ao Brasil, Anna Stella Schic concedeu entrevista a Nelson Rubens Kunze publicada na Revista CONCERTO nº 66. Questionada sobre a sua ligação com o Brasil, Anna Stella respondeu: "Eu vou lhe dizer: eu vim desta vez porque, como eu logo estou fazendo 80 anos, achei que era o momento." -- "A senhora vai fazer 80 anos? Pelo que consta em sua biografia será em 2005." Ao que a exímia e simpática pianista respondeu: "Não, não, será ano que vem, em 2002. Todo mundo tem a data errada. Talvez a culpa seja minha. Pode ser que na época de minha juventude eu tenha tentado me remoçar um pouquinho. É possível, vaidade feminina, não é? (risos) Então, quando me perguntavam de que ano eu era, dizia 25. Mas na verdade eu sou de 1922."