Morre fagotista Noel Devos aos 88 anos

por Redação CONCERTO 05/03/2018

Um dos maiores fagotistas de nosso tempo, o franco-brasileiro Noel Devos, morreu no Rio de Janeiro no último sábado, dia 3 de março. Nascido em 1929 em Calais, no norte da França, Devos mudou-se ao Brasil em 1952, a convite do maestro Eleazar de Carvalho, para integrar a Orquestra Sinfônica Brasileira. Na década de 1960 naturalizou-se brasileiro. O instrumentista desenvolveu importante carreira como músico de orquestra, solista, camerista e professor, tendo sido docente da Escola de Música Villa-Lobos e da Escola de Música da UFRJ. Com professor, formou alguns dos mais destacados fagotistas de nosso país, entre eles Aloysio Fagerlande, Ricardo Rapoport e Fabio Cury. Compositores com Francisco Mignone, Alceo Bochino, Bruno Kiefer, Guilherme Bauer e Ricardo Tacuchian escreveram obras especialmente para ele.


O fagotista Noel Devos [reprodução]

Em sua página no Facebook, o maestro e flautista Norton Morozowicz escreveu: “Adeus a Noel Devos, o ‘mestre dos mestres’. [...] É com muita emoção que escrevo essas linhas prestando minhas homenagens a este que foi um dos maiores músicos e professores, assim como figura humana exemplar. Convivemos por cerca de 50 anos, dos quais por duas décadas tocamos lado a lado diariamente na Sinfônica Brasileira, onde comecei minha carreira, quando Devos já era “o mestre”. Amigo inseparável e conselheiro de todas as horas, participamos de incontáveis excursões de concertos e juntamente com José Botelho formávamos o Trio de Sopros. Também foi ele que me incentivou na regência e participou da formação da Orquestra de Câmara de Blumenau, tocando durante muito tempo, em temporadas e gravações memoráveis que juntos fizemos. Noel participou de todos os Festivais de Música que eu dirigi, compartilhando seus conhecimentos com maestria a muitos alunos e fagotistas do nosso país. Seu som era inconfundível, aliado a uma musicalidade ímpar! Sem dúvida, o nosso meio musical sentirá muito esta perda, deste que foi um exemplo para todos os colegas, deixando um legado incomensurável. Devos, sua música e seus ensinamentos ficarão para sempre em nossa memória. Vá em paz!”