Retrospectiva 2016 – Isaac Karabtchevsky (depoimento de dezembro de 2016)

por Redação CONCERTO 24/01/2017

“Num período conturbado pelo alinhamento de várias incógnitas permeando nosso cotidiano e com as instituições culturais se debatendo em busca de fórmulas que lhes garantam a sobrevivência, eis que surge, por parte da Revista CONCERTO, o pedido de uma retrospectiva e projeção de planos para 2017! Para escrevê-la, sou obrigado, por força das circunstâncias, a procurar por ideias esboçadas anos atrás e que chegarão em breve a sua fase conclusiva e reveladora. É o exemplo dos 30 anos da Petrobras Sinfônica, belíssimo projeto advindo de uma relação sadia entre uma empresa e um conjunto sinfônico, hoje alçado à categoria das grandes orquestras brasileiras; do término das gravações da integral das sinfonias de Villa-Lobos, empreendimento que marca o espírito inovador da Osesp; da construção do novo teatro da Filarmônica de Minas Gerais. Outro projeto que se impõe pela abrangência da sua proposta é o do Instituto Baccarelli, que atingiu um patamar de excelência e resultados, com cinco orquestras e 17 corais! Tudo isso atesta que vivemos simultaneamente em vários países. Num deles reina a desconfiança, o maniqueísmo, a suspeita e o rancor. Em outro, a indiferença e a filosofia secular do laissez faire laissez passer. Numa outra realidade, num mundo com algumas exceções ainda não contaminado, habitam os artistas e intelectuais à procura de formas de expressão, de uma obstinação (que remete à utopia) em criar e deixar legados. Oxalá caminhemos, ao som de mil orquestras, em direção a um Brasil que possa nos encher de orgulho!”

Isaac Karabtchevsky, regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica Heliópolis e da Orquestra Petrobras Sinfônica