Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 22 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire (25/10/2017)
Por Irineu Franco Perpetuo

O resultado é tão encantador que só espanta que esse encontro não tenha acontecido antes. Finalmente Nelson Freire resolveu dedicar um álbum solo a um dos compositores com cujo mundo sonoro tem maior identificação: o alemão Johannes Brahms (1883-1897).

Da última vez em que ele entrou em estúdio para gravar Brahms, a crítica internacional se rendeu. Em 2007, sua interpretação dos concertos do compositor alemão com a Orquestra Gewandhaus, de Leipzig, regida por Riccardo Chailly, foi escolhida como a Gravação do Ano, no prêmio Gramophone Awards. “Esse é o lançamento dos concertos de Brahms que estávamos esperando”, festejou, à época, Jed Distler, nas páginas da revista britânica.


Nelson Freire [Divulgação / Anna Oswaldo Cruz]

A bem da verdade, Brahms foi um dos primeiros autores que Freire abordou em disco, na juventude: as sessões de abril de 1967, em Winterthur, viraram dois LPs da CBS, lançados dois anos mais tarde – um com o Carnaval op. 9, de Schumann, e os Improvisos op. 90, de Schubert, e outro com a Rapsódia op. 119 nº 4, o Capriccio op. 76 nº 2 e a Sonata nº 3, de Brahms (todo esse material foi relançado em CD, na caixa The Complete Columbia Album Collection, da Sony). Depois disso, nunca mais. E a identificação de Nelson Freire com o mundo brahmsiano é tão grande que a gente se pergunta o porquê...

Meio século atrás, a qualidade musical já era incandescente, e não deixa de ser curioso notar como, ao revisitar a Sonata, Freire basicamente mantém os tempos que adotava na década de 1960.

O disco está concebido como um recital, cuja primeira metade é a sonata, com a segunda constituindo em uma seleção muito pessoal e cuidadosa de peças breves, com dois Intermezzos op. 76 e, sobretudo, o pianismo tardio de Brahms: alguns dos op. 116, 117 e 118, e as quatro obras do op. 119. Como todo recital de Nelson Freire inclui pelo menos um bis, aqui a função é cumprida com singeleza pela Valsa op. 39 nº 15.

De todos os discos do Reverendo Nelson, esse foi o primeiro que me fez pensar nele como um regente em potencial, tamanho seu domínio da estrutura arquitetônica das peças e das diversas vozes da polifonia. Freire demonstra comando intelectual completo das partituras, sem que isso se traduza em artificialismo. Muito pelo contrário: seu discurso musical é sempre fluente e espontâneo, como se tocar Brahms com essa profundidade fosse a coisa mais natural do mundo. Como alguém que se acomodasse numa rede, de bermuda e chinelos, e enunciasse verdades filosóficas transformadoras no tom de voz de quem narra os mais corriqueiros eventos cotidianos.

No caso de Nelson Freire, essa narração sempre é dotada de qualidades de canto. Capaz de transmitir tanto o fogo das obras de juventude quanto o intimismo das peças tardias, Freire, com sua sonoridade sedutora e aveludada, nos faz lembrar o tempo todo de que Brahms foi também um destacado autor de lieder.

Sorte dos cariocas que, em 22 de novembro, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, na série da Dell’Arte, poderão conferir seu talento ao vivo, em recital solo.

[Clique aqui para conhecer o CD Brahms de Nelson Freire disponível na Loja CLÁSSICOS]





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

29/4/2018 - Coral Paulistano Mário de Andrade

Rio de Janeiro:
28/4/2018 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
26/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046