Banner 180x60
Boa tarde.
Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Festival Leo Brouwer celebra a riqueza do violão (28/12/2009)
Por Camila Frésca

No mês de dezembro, quase encerrando a temporada musical e em meio ao clima festivo e à correria que tumultua a vida da maioria das pessoas, o público de São Paulo teve o privilégio de conferir as atividades do segundo Festival Internacional de Violão da USP/ Festival Leo Brouwer.

Talvez o fato mais importante relacionado ao evento é que ele dá o devido espaço ao violão. Ao mesmo tempo em que homenageia um expoente internacional do instrumento (o compositor cubano Leo Brouwer, presente nas duas edições), congrega excelentes músicos brasileiros, dando oportunidade para que o público os conheça. O violão, instrumento tão popular por aqui, além de contar com toda uma rica tradição, tem hoje entre nós um expressivo número de primorosos intérpretes, compositores e luthiers. Isso faz com que o Brasil se destaque internacionalmente na área, mas o violão continua injustamente deixado de fora da maioria de nossas temporadas. Afinal alguém já viu alguma orquestra programar mais do que um concerto contando com um violonista convidado em toda sua temporada? Ou uma entidade internacional promover um recital do instrumento?

É nesse contexto que o Festival Leo Brouwer ganha importância ímpar, e é ótimo ver o evento se tornando regular. Esta segunda edição, que aconteceu entre os dias 6 e 13 deste mês que já se finda, teve master classes, lançamentos de CDs e livros, palestras e, claro, diversos recitais. Dentre esses – que contaram com artistas do nível de Sergio Assad e Egberto Gismonti, e incluíram estreias mundiais e primeiras audições brasileiras – um destacou-se tanto por sua qualidade intrínseca quanto por seu valor simbólico. Dia 9 de dezembro, um concerto no Anfiteatro Camargo Guarnieri, na USP, reuniu diversas gerações do violão brasileiro numa noite memorável. O objetivo era celebrar o aniversário de dois grandes nomes do instrumento: o colecionador Ronoel Simões, responsável por preservar boa parte de discos, livros e informações ligadas ao violão brasileiro do início do século XX; e Geraldo Ribeiro, virtuose apelidado de “Segovia brasileiro” e artista fundamental não apenas como compositor mas sobretudo como concertista, músico que fez transcrições importantes (como da obra de Johann Sebastian Bach), que resgatou a obra de violonistas populares, como Garoto, e que realizou marcantes estreias e gravações de obras.

Se os 90 anos de Ronoel o impediram de assistir à homenagem, Geraldo Ribeiro comemorou seus 70 mostrando um pouco daquilo que o consagrou. Embora as mãos não possuam mais a firmeza e destreza de outrora, foi fácil perceber algumas das qualidades que o tornaram célebre, como a beleza do som e a interpretação pessoal e de incrível naturalidade. Além dele, subiram ao palco alguns dos mais brilhantes violonistas brasileiros da atualidade, que se revezaram entre obras do próprio homenageado e autores marcantes em sua carreira. Paulo Martelli mostrou, no violão de onze cordas, uma interpretação sobre-humana de suas transcrições de peças para violino solo de Bach; além da difícil Sonatina do sudeste, de Ribeiro, Paulo Porto Alegre tocou obras de Garoto; Fábio Zanon mostrou a excelência de sempre em obras de Ribeiro, Augustin Barrios e Ascendino Theodoro Nogueira, compositor com quem Geraldo Ribeiro colaborou intensamente. O recital encerrou-se com o carismático Duo Siqueira Lima. Novíssima geração do violão brasileiro, Cecília Siqueira e Fernando Lima tocam com frescor e envolvimento contagiantes e colocam sua técnica excepcional a serviço do repertório clássico e popular com a mesma naturalidade, desfazendo a velha “barreira” entre o erudito e o popular que, ainda que muitos queiram derrubar, nem todos estão aptos a fazê-lo.

Cecília Siqueira e Fernando Lima, do Duo Siqueira Lima, que participou da última edição do Festival Leo Brouwer. [Foto: divulgação, Anton Zabrodsky]

Se durante o ano nem sempre o violão ganha o destaque que merece, parece que agora ele passará a “se vingar” no mês de dezembro, quando acontece o Festival Leo Brouwer.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/2/2018 - Orquestra Sinfônica de Santo André

Rio de Janeiro:
20/2/2018 - Adriana Ballesté - violão

Outras Cidades:
22/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046