Banner 180x60
Bom dia.
Sábado, 16 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Reflexões sobre a crise da OSB: Bom mesmo no Brasil é o Carnaval! (20/7/2011)
Por Nelson Rubens Kunze

Vamos começar pelo começo: é preciso decidir se queremos ou não uma grande orquestra sinfônica de qualidade internacional no Rio de Janeiro. Não é possível que um objetivo natural e desejado por todos (vide esforços por todo o Brasil) seja visto como um capricho de um grupo alienado e autoritário. Não, não é! Se há uma forma de contribuirmos, dentro de nossa área, com o desenvolvimento do Brasil, então é almejando padrões cada vez mais altos de comprometimento artístico e qualidade – isso, para nós, é a tal da “responsabilidade social”! Queremos, sim, uma orquestra sinfônica de qualidade internacional para o Rio de Janeiro, uma orquestra pujante e moderna, geradora de cultura, propondo visões para um mundo em conflito, com instigantes programas semanais, comprometida com a cultura e a inserção social, dialogando com a contemporaneidade, aberta ao mundo, com a cara do Rio de Janeiro e do Brasil do século XXI. E esse é o DNA da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), que nasceu cosmopolita e já viveu glórias que transcendiam em muito os limites da Baía da Guanabara...

Mas, como vemos, não é fácil, e a crise da OSB escancara nossas deficiências. Sempre acreditamos que os entraves ao nosso desenvolvimento cultural eram a dependência de secretarias de Cultura e de governos despreparados e pouco esclarecidos sobre assuntos musicais. Descobrimos que não são só esses. Sozinhos também não damos conta do recado. E agora, com a OSB, percebemos que, mesmo após o acentuado desenvolvimento institucional e artístico dos anos Minczuk, ainda faltavam alguns requisitos básicos para dar o salto rumo à grande e moderna orquestra sinfônica.

Talvez uma falha determinante tenha sido a falta de um verdadeiro gestor cultural, um profissional de visão estratégica, conhecedor da área, competente nos assuntos administrativos e preparado para lidar com artistas. Aquela peça chave de vital importância na estrutura administrativa de uma orquestra sinfônica. Julgo altamente elogiável o compromisso e o engajamento do presidente do Conselho da Fosb, Eleazar de Carvalho Filho, na crise da OSB; mas, antes dele, quem deveria conduzir o processo e responder por acertos e erros seria justamente o gestor cultural, um diretor executivo de plenos poderes.

Agora, pressionada, a Fosb recuou (ainda sem gestor cultural), o maestro Roberto Minczuk pediu demissão e uma nova diretoria artística compartilhada foi contratada. Se a saída de Minczuk pode significar um gesto concreto de reconciliação com a comunidade musical carioca, a contratação desta diretoria artística compartilhada não parece, objetivamente, ser um substituto à altura do currículo internacional do maestro demissionário. Fica a dúvida se Fernando Bicudo (um nome que não está ligado ao universo da música sinfônica) e Pablo Castellar (jovem produtor, professor e compositor) são de fato os melhores indicados para a função. (Apenas a título de comparação, lembro que quando a Osesp demitiu o maestro John Neschling, a direção artística da orquestra foi temporariamente compartilhada por Timothy Walker, diretor artístico e executivo da Filarmônica de Londres, por Henry Fogel, ex-diretor da Sinfônica de Chicago e ex-diretor da Liga de Orquestras Americanas, e por Marcelo Lopes, diretor executivo da Osesp.)

As recentes notícias indicam que o projeto de criação de uma sinfônica de qualidade internacional para o Rio de Janeiro sofreu um revés. Com essa “nova velha” OSB que se desenha, talvez tenhamos de volta Nelson Freire, Cristina Ortiz e Antonio Meneses (que, como sabemos, trabalham na Europa e nos Estados Unidos com orquestras de qualidade). E eles também ficarão contentes, pois terão de volta esse ambiente caloroso e informal que caracteriza a vida musical brasileira. E, no fim, poderemos compartilhar juntos e lamentar, que pena!, que o Brasil não muda, que a corrupção, que as traquinagens dos políticos, que a Cidade da Música, que os escândalos federais... Mas temos aquele consolo de sempre: bom mesmo no Brasil é o Carnaval (e o futebol – quando não dá vexame nos pênaltis contra o Paraguai...)!





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
16/12/2017 - Linda Bustani - piano

Outras Cidades:
19/12/2017 - Vila Velha, ES - Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046