Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Um memorável "Pierrot lunaire" no Festival de Campos do Jordão (21/7/2011)
Por Camila Frésca

A 42ª edição do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão só termina nesse domingo, dia 24, mas já é possível dizer que um dos mais importantes concertos aconteceu dia 12, no Auditório do Masp, em São Paulo. O conjunto Het Collectief, que já esteve no Brasil em 2009, interpretou duas obras seminais do século XX: Pierrot lunaire, de Arnold Schönberg (1874-1951), e Quarteto para o fim dos tempos, de Olivier Messiaen (1908-1992).

O quinteto belga Het Collectief tem uma formação incomum: piano (Thomas Dieltjens), clarinete (Benjamin Dieltjens), flauta (Toon Fret), violino (Wibert Aerts) e violoncelo (Martijn Vink). Nasceu em Bruxelas em 1998 com o objetivo de interpretar o repertório da Segunda Escola de Viena – ou seja, a música de Arnold Schönberg, Anton Webern e Alban Berg, grupo de compositores que no início do século XX abalou fortemente as estruturas da música tonal. Numa outra vertente, o Het Collectief também apresenta versões “revisitadas” de obras consagradas, como A oferenda musical, de Bach, que eles igualmente apresentaram em outros concertos por aqui.


Het Collectief [Foto: divulgação]

Pois quem esteve no Masp conferiu uma memorável interpretação de Pierrot lunaire – aliás, foi uma forma mais do que adequada de se lembrar os 60 anos de morte de Schönberg, que aconteceu no dia 13 de julho de 1951. Acompanhando o grupo estavam a excelente mezzo soprano Jacqueline Janssen e o regente holandês Reinbert De Leeuw, que desde 1974 está à frente do Ensemble Schönberg.
 
“Sou um conservador que forçaram a se tornar revolucionário”, se definiu Schönberg uma vez. Considerando-se um autêntico herdeiro da tradição clássica e romântica germânica, ele assumiu uma missão histórica consciente: uma vez constatado o esgotamento do sistema tonal, era chegada a hora de acabar com ele, para, em seguida, erguer um novo sistema em seu lugar. Foi assim que o compositor e teórico começou a praticar, primeiro, o atonalismo (a partir de 1908), e, então, tentando estruturar melhor suas propostas, o dodecafonismo serial (a partir de 1923). Pierrot lunaire, de 1912, é música de cena para voz e conjunto de câmara escrito a partir de pequenos textos do poeta belga Albert Giraud traduzidos para o alemão por Otto Erich Hartleben. A obra, com um total de 21 poemas divididos em três seções de sete, nasceu a partir de uma encomenda da atriz vienense Albertine Zehme, especialista em melodrama – na estreia, os instrumentistas ficaram escondidos atrás das cortinas, com Zehme vestida à caráter sozinha no palco. Além da falta de um centro tonal, o Pierrot traz como novidade o sprechgesang, um procedimento que consiste em emitir a voz entre a fala e o canto. Obra típica do período expressionista de Schönberg, Pierrot lunaire mescla ironia com sadomasoquismo macabro e sangrento.

Se algumas obras de Debussy e Stravinsky, que igualmente causaram incompreensão em sua época, hoje estão totalmente integradas ao repertório tradicional, Pierrot lunaire continua causando estranhamento e espanto, ao mesmo tempo em que seduz por seu tom sombrio e sua magia.

Para quem perdeu a interpretação orgânica e tecnicamente acurada do Het Collectief com Jacqueline Janssen, é possível ouvir trechos da gravação que os artistas fizeram da obra no site http://www.hetcollectief.be/.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Orquestra Infantil Heliópolis, Orquestra Preparatória Heliópolis e Orquestra Infantojuvenil Heliópolis

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Orquestra, Coro e Solistas da Cia. Bachiana Brasileira

Outras Cidades:
15/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046