Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Lang Lang (23/5/2012)
Por Nelson Rubens Kunze

“Não pode comparar com o que você conhece”, disse-me um amigo no intervalo do recital de Lang Lang na Sala São Paulo, no último domingo, dia 20 de maio. “Lang Lang é outra coisa.” Mas apreciações exigem referências, comparações, balizamentos. Ainda mais quando o repertório é histórico e abarca Bach, Schubert e Chopin. E, em se tratando de um artista como Lang Lang, temos de pensar nos grandes intérpretes (Gould, Brendel, Maria João Pires, Radu Lupu, Barenboim...). Ou, então, falamos de outras coisas, da cor dos sapatos de Lang Lang (aliás, pretos), de seus cabelos (que, pena, não estavam arrepiados), do encontro social, da sopinha no hall da Sala São Paulo, dos CDs da Loja CLÁSSICOS...

Bach, como se sabe, serve para tudo, até para versões em ritmo de chorinho (algumas, muito boas!). O Bach (Partita nº 1) de Lang Lang não foi isso, as notas eram as do mestre alemão, ainda que, de vez em quando, a música barroca fosse irreconhecível. Rubatos estendidos, dinâmicas extremas, fraseados narrativos – um novo mundo, muito distante daquele da primeira metade do século XVIII. Não há problema em novas contextualizações ou leituras para a arte histórica; mas elas esvaziam a obra se elas se transformam apenas em suporte de sentimentalismos pessoais. Para a música barroca, isso é fatal.

Já a Sonata D 960 de Schubert, por sua carga emocional e linguagem interior, seria música mais adequada ao gênio do virtuose chinês? Parece que não. Aqui, os excessos interpretativos também se sobrepuseram à delicadeza e/ou tensão dramática da obra, uma das mais belas criações da maturidade de Schubert. Dinâmicas e fraseados exagerados, um som por vezes superficial e pouca atenção a acabamentos comprometeram a interpretação.

O pianista chinês Lang Lang [divulgação]

Sobraram os Estudos op. 25 de Chopin, o melhor da noite. E aqui a postura de Lang Lang parece que encontrou respaldo e a sua espantosa habilidade técnica viu limites a serem desafiados. Foi impressionante a capacidade com que o jovem artista se desvencilhou das dificuldades desse verdadeiro tour de force pianístico e, aqui sim, seu virtuosismo veio carregado de intensa musicalidade.

Em seu recital na Sala São Paulo, Lang Lang mostrou por que é a sensação da música clássica atual: tem uma técnica transcendental (deu para “ver” nos Estudos de Chopin), é carismático, gosta do palco, olha para a plateia enquanto toca, e faz caras, bocas e gestos para transmitir a mensagem musical. Lang Lang, contudo, não chacoalha a estrutura antiquada e formal do recital de piano “modelo século XIX”, como poderia se supor. Ao contrário. Com seu comportamento, Lang Lang reforça o estereótipo do gênio virtuose romântico, catapultando essa imagem e adequando-a ao espaço da moderna sala de concertos, da indústria fonográfica, dos programas de televisão, da cultura de massas. E, afinal, é essa a nossa realidade.

Torçamos para que Lang Lang possa mesmo arrebatar novas plateias para a música de concerto.

(P.S.: Virtuose chinês por virtuose chinês, fico com a Yuja Wang e seu vestidinho vermelho, que assistimos no ano passado junto com a Osesp. Aquilo sim foi entretenimento com cultura!...)





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

19/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
16/12/2017 - Recife, PE - XX Virtuosi - Festival Internacional de Música de Pernambuco
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046