Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 12 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
O exemplo de Eduardo Monteiro (30/9/2008)
Por Irineu Franco Perpetuo

Tocar e gravar o repertório brasileiro de concerto é bom, mas, evidentemente, não basta para a sua divulgação. Essa história de que toda iniciativa é válida tem que ser vista com muito cuidado – eu me lembro de discos ouvidos na juventude que, de tão precários, só faziam me afastar deste repertório.

O problema é que muitas vezes nossa música erudita acabou ficando na mão de músicos que não tinham condições técnicas de executá-la, e se encaminharam para esse lado simplesmente porque nele encontravam menos competição do que nos grandes standards do repertório. Ou, então, de intérpretes até bem dotados tecnicamente, mas que a executavam sem convicção ou estudo – só para "cumprir tabela", fazer uma média ou amealhar patrocínio. À exceção de Villa-Lobos, a oferta de discos de compositores brasileiros era até representativa em termos quantitativos, mas minguada no aspecto qualitativo.

Felizmente, o quadro vem mudando – e em diversos campos do repertório. A Osesp, aqui como em outras áreas, dá o exemplo mais evidente, com discos antológicos de autores como Guarnieri, Mignone e Santoro. No repertório colonial, Luís Otávio Santos, em Juiz de Fora, vem aplicando com êxito as pesquisas interpretativas da escola de música antiga historicamente informada aos nossos compositores. E, no piano, há Eduardo Monteiro.
Monteiro tem capacidade técnica para decifrar o que haja de mais complicado nas partituras para seu instrumento. Beethoven, Debussy, Liszt: o pianista confere aos mestres sagrados do repertório leituras iluminadoras e interessantes, que sempre faz de seus concertos e recitais ocasiões de grande interesse.

O mais legal é que, quando aborda o repertório nacional, Monteiro o faz com o mesmo nível de entrega, perfeccionismo e respeito com que interpreta os compositores estrangeiros. Caso do excepcional CD Piano Music of Brazil, que traz sete distintos autores brasileiros, coroado por uma leitura incandescente das Cartas Celestes nº 1, de Almeida Prado (que ele tem tocado de cor em seus recitais, com um virtuosismo assombroso).

É o caso também da recente (28 de setembro) performance do Quinteto op. 18, de Henrique Oswald. Monteiro levou à Sala São Paulo uma interpretação idiomática e apaixonada da música de Oswald, mostrando que há muito a ser ouvido e descoberto nesse compositor tão injustamente negligenciado. Resta esperar que a brilhante geração de alunos cujo talento ele tem moldado não se limite a escutar apenas seus conselhos técnicos, mas que também o tome como exemplo na hora de valorizar esse nicho tão rico e ainda inexplorado da música de concerto do Brasil.

[Serviço: Clique aqui e conheça os CDs de Eduardo Monteiro disponíveis na Loja CLÁSSICOS.]

 





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

20/12/2017 - Maria Pia Piscitelli - soprano

Rio de Janeiro:
16/12/2017 - Linda Bustani - piano

Outras Cidades:
16/12/2017 - Recife, PE - XX Virtuosi - Festival Internacional de Música de Pernambuco
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046