Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Uma excelente introdução ao mundo de Bach (27/2/2015)
Por João Luiz Sampaio

Grandes obras de referência da musicologia não costumam interessar ao mercado editorial brasileiro. Reforça-se assim o enorme abismo entre pesquisa e prática – e sai perdendo o público interessado em se aprofundar na música que escuta, em casa e nas salas de concerto. Por tudo isso, o ano começa com um evento digno de comemorações: o lançamento da edição brasileira do clássico As cantatas de J.S. Bach, estudo do pesquisador alemão Alfred Dürr (1918-2011).

O livro está sendo lançado pela editora da Universidade do Sagrado Coração, com tradução de Claudia Sibylle Dornbusch, professora doutora língua e literatura alemã da Universidade de São Paulo, e de Stefano Paschoal, professor doutor do Instituto de Letras e Linguística, da Universidade Federal de Uberlândia. A revisão musical foi feita por Marcos da Cunha Lopes Virmond, médico e doutor em música pela Unicamp, e o volume tem prefácio de José Fernando Perez, idealizador do projeto.

Dürr é uma referência fundamental na pesquisa da obra de Bach. Formou-se no final dos anos 1940 na Universidade Georg-August, de Göttingen, e, mais tarde, receberia doutorados honorários em instituições como a Universidade Humboldt de Berlim e a Universidade de Oxford. Os títulos foram reconhecimento ao trabalho a que dedicou toda a sua vida: a Neue Bach-Ausgabe, edição completa da obra de Bach, publicada em nada mais nada menos que 96 volumes pela editora Bärenreiter.

A relação de Dürr com as cantatas do compositor começou cedo – e ao sair da universidade, em 1950, ele já estava às voltas com as peças. Estima-se que Bach escreveu cerca de 300 delas, das quais 200 foram preservadas. E entre as principais contribuições do livro de Dürr estão o estabelecimento e análise dos textos que lhes serviram de base, e a revisão da cronologia segundo a qual foram escritas, com descobertas que ajudam a contextualizar melhor as peças na trajetória do compositor.

Mas As cantatas de J.S. Bach vai muito além de questões técnicas. Em suas 1.406 páginas, o livro traz informações sobre cada uma das peças, com o texto traduzido, preocupado em oferecer o contexto artístico e histórico das composições e mostrando como se dá a relação entre as palavras, a música e a estrutura formal.

O tamanho do livro não precisa assustar o leitor, afinal, pode-se aproveitar os textos aos poucos, acompanhados pela audição das peças. Além disso, Dürr consegue uma rara façanha: uma linguagem que se presta tanto ao especialistas quanto ao leigo. É um marco da musicologia. E uma belíssima introdução ao universo criativo de Bach.

[O livro As cantatas de J.S. Bach está disponível na Loja CLÁSSICOS]

Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Luiz Sampaio - é editor executivo da Revista CONCERTO e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

19/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
20/12/2017 - Salvador, BA - Orquestra Juvenil da Bahia
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046