Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 19 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Uma ode a Monk (16/3/2016)
Por João Marcos Coelho

Uma ode a Monk e ao descompasso entre corpo e mente, só rompido na criação artística

Sou um escancarado monkmaníaco. Desde que descobri o gênio do bebop me apaixonei por seu piano dissonante, feito de silêncios e melodias angulosas. Ao todo, cerca de 80 temas, que teimam em não entrar redondos nos ouvidos; acordes rascantes como ossos quebrados, ritmos completos, acentos deslocados, mudanças bruscas de dinâmica, hesitações, silêncios inesperados. Escutei tudo que ele criou e gravou ao longo de seus 64 anos, vividos entre 1917 e 1982. Até ser capa da Time, nos anos 1960, e ser reconhecido nos EUA, muito por causa do culto que se fez na Europa em torno dele, foi um calvário só; os últimos 10 anos de vida, passou em completo silêncio, no apartamento da baronesa de Koenigswarter, de frente para o rio Hudson, em Manhattan.


O lendário pianista de jazz Thelonious Monk, gênio do bebop [foto: divulgação]

Todos diziam que ele era um pianista incompetente, precário. Ora, como Roger Kelley revelou em uma minuciosa e reveladora biografia do músico em 1996, ele estudou piano sim. E piano clássico, durante 24 meses, entre os 11 e os 13 anos, com um judeu austríaco emigrado chamado Simon Wolf. Este vendia caro suas lições de piano porque assegurava ter estudado com Alfred Megerlin, um dos spallas da Filarmônica de Nova York. Na verdade, Thelonious estudou com Wolf desde os 4 anos, por cima dos ombros da irmã Marion, que desde criancinha foi a escolhida pela família para ter uma instrução musical sistemática (não havia dinheiro para pagar aulas para os dois). Mais: Simon era músico clássico. Fez Thelonious estudar peças de compositores como Chopin, Beethoven, Bach, Rachmaninov, Liszt e Mozart. Apesar de ter demonstrado paixão específica por Chopin e Rachmaninov, na verdade sua música apresenta mais afinidades com a do húngaro emigrado Béla Bartók, que viveu em Nova York nos anos 1930/40.

Quando surgiu na cena jazzística, na virada dos anos 1930/40 em Nova York, fugindo do virtuosismo como o diabo da cruz, o já esquisito jovem pianista provocou um verdadeiro deus-nos-acuda. Ainda mais que a sua figura era no mínimo bizarra: gorros dos mais variados tipos, introvertido, roupas extravagantes; costumava até dançar no palco desajeitadamente enquanto parceiros improvisavam.

Você pode conferir estas danças esquisitas, assistindo na íntegra ao documentário Straight no chaser, produzido por Clint Eastwood, que começa com Monk dançando desengonçadamente.

O bailarino, coreógrafo, ator e dramaturgo belga Josse de Pauw partiu destas dancinhas para construir um espetáculo comovente que discute o descompasso entre corpo e mente, mostrando como é impossível ambos estarem em sintonia. Exceto em raros instantes, como numa dança breve – principalmente se a música for assinada por um gênio como Monk. A primeira meia hora é emocionante, muito por causa também da competência de Kris Defoort e seus parceiros de trio, capazes de tocar temas tão conhecidos sem imitar o inimitável toque monkiano – mas sobretudo pelos improvisos e temas de Defoort. Este, aliás, é também compositor contemporâneo e bem poderia ter realizado uma apresentação com suas criações. Na meia hora seguinte, ele se dedica mais a mostrar os sinais de fragilidade do corpo à medida que os anos passam, e os momentos ainda mais raros em que o fogo da dança reacende a fagulha adormecida.

Pena que passaram desapercebidas, ao menos para a tribo dos que gostam de música de invenção em geral, as cinco noites em que o SESC Bom Retiro recebeu “An Old Monk”, um espetáculo que mistura de modo refinado texto, música e dança. O texto, a atuação e a dança são assinados pelo também diretor do espetáculo, Josse de Pauw, 64 anos; a música excelente foi produzida pelo trio piano-baixo-bateria do também belga Kris Defoort, 55 anos, responsável pelas composições, acompanhado por Nicolas Thys ao baixo e Lander Gyselinck à bateria.

No YouTube há pequenos trechos, que no entanto não dão uma ideia real da força do espetáculo.

Clássicos Editorial Ltda. © 2016 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

19/1/2018 - Duo Fryvan

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046