Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sábado, 16 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Nelson Freire, bachiano brasileiro (24/5/2016)
Por Irineu Franco Perpetuo

Reverenciado não apenas no Brasil, mas também no exterior, Nelson Freire, aos 71 anos de idade, parece ter chegado àquele estágio da carreira em que pode se dar ao luxo de fazer o que quer. E, quando ele quer algo, esse querer não costuma ser arbitrário, porém embasado nas melhores razões.

E eis que a unanimidade do piano brasileiro resolveu gravar Bach. Não tenho muitas lembranças do Reverendo Nelson executando esse compositor ao vivo – no máximo, vi alguma transcrição de peça curta, abrindo recital, ou como bis. Aliás, não me recordo de tê-lo ouvido tocar muita coisa anterior a Mozart. Costumo associá-lo ao século XIX, de Beethoven, Chopin, Brahms e Schumann, com eventuais incursões no século XX de Rachmaninov, Debussy e Villa-Lobos.

Mas Nelson Freire, obviamente, conhece mais sobre si mesmo do que qualquer pessoa. Desde que começou sua proveitosa associação com a multinacional Decca, em 2001, ele vem se preocupando não apenas em cristalizar as interpretações das obras às quais é mais habitualmente associado, como também em construir um legado fonográfico tão sólido quanto variado. E seu álbum bachiano é tão iluminador e prazeroso quanto qualquer outro de sua discografia, dotado da mesma qualidade poética de sempre e daquele som a um só tempo cristalino e aveludado que é a sua assinatura.


O pianista Nelson Freire [Foto: divulgação]

Não faria o menor sentido exigir que um pianista que extrai uma sonoridade tão robusta e um colorido tão variegado de seu instrumento procurasse emasculá-lo a ponto de fazê-lo soar como um cravo. Mas os puristas não precisam se escandalizar: o Bach de Nelson Freire é tão econômico em pedal quanto rico em sabedoria, clareza e bom gosto. Ele sabe diferenciar judiciosamente os diversos movimentos das obras mais longas do disco, a Partita nº 4 e a Suíte Inglesa nº 3, exibindo notável destreza e admirável domínio do contraponto na Tocata em dó menor BWV 911 e na Fantasia Cromática e Fuga BWV 903.

Somadas, as peças acima dão uma hora de audição intelectualmente gratificante, para satisfazer até o mais exigente dos ouvintes. Depois disso, porém, Freire resolveu incluir ainda meia dúzia de transcrições, que não poderiam ser mais saborosas, da lírica versão do próprio Bach do concerto para oboé em ré menor de Marcello a Jesus, Alegria dos Homens de Myra Hess, que fecha o álbum, passando pelas expansões romantizantes de Busoni e Siloti. Cada uma dessas gemas é tratada com especial carinho e dignidade, convidando a uma escuta repetida e inesgotável.

[O CD “Bach” de Nelson Freire está disponível na Loja CLÁSSICOS. Clique aqui para conferir.]





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Orquestra, Coro e Solistas da Cia. Bachiana Brasileira

Outras Cidades:
21/12/2017 - Goiânia, GO - Ópera Carmen, de Bizet
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046