Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 21 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Antonio Vaz Lemes revela tesouros em “Sonata brasileira” (4/7/2016)
Por Camila Frésca

O público que se interessa por música de concerto deve saber que, historicamente, o piano teve no Brasil um papel de destaque tanto em termos socioculturais quanto musicais. E que, se tivemos grandes mestres no passado, continuamos a produzir pianistas do quilate de um Nelson Freire; e, mais ainda, toda uma excelente geração de novos artistas. A título de ilustração, vale citar dois exemplos recentes: o primeiro CD comercial de Cristian Budu, que tem ganhado elogios rasgados em publicações especializadas como a Gramophone e a Diapason, ou o recém-lançado disco de Beatriz Alessio, dedicado à obra de Gilberto Mendes (e que foi resenhado pelo o jornalista e crítico Irineu Perpétuo aqui no Site CONCERTO).

Pois vamos a um terceiro exemplo: o excelente disco que o pianista Antonio Vaz Lemes lançou recentemente, intitulado “Sonata brasileira”. Vaz Lemes nasceu em São Paulo e estuda piano desde os quatro anos de idade. Passou pelo Conservatório de Tatuí, Emesp e Instituto de Artes da Unesp, vencendo diversos concursos nacionais. Transitando pelos universos clássico e popular, atua como co-repetidor, camerista, solista e já fez incursões no mundo pop, trabalhando em musicais e ao lado do cantor Edson Cordeiro. Participa ainda do Pianosofia, iniciativa que procura aproximar as pessoas da música através de saraus domésticos.


Antonio Vaz Lemes [Foto: divulgação]

O projeto “Sonata brasileira” é arrojado e foi originalmente lançado 2014 como um aplicativo para smartphones e tablets (provavelmente o primeiro CD-aplicativo do mercado). Nessa versão, a audição é acompanhada por textos, depoimentos, videoclipes e partitura. No final de 2015, veio a edição em CD pela Odradek Records, um selo norte-americano fundado em 2012 e que funciona como uma espécie de cooperativa de músicos: qualquer um pode enviar seu trabalho com vistas a um lançamento, e este será analisado pelos próprios artistas que integram o selo. Atualmente, a Odradek conta com 33 artistas de 19 países (além de Antonio Vaz Lemes, o outro brasileiro do grupo é Ronaldo Rolim, pianista integrante do Trio Appasionata). Se por um lado perde-se o material extra produzido para o App, por outro uma edição “convencional” como o CD tende (ainda) a alcançar um público mais amplo.

No livreto que acompanha o disco, Antonio Vaz Lemes revela que sempre foi apaixonado por sonatas, e, portanto, dedicar-se ao gênero foi um caminho natural ao estruturar seu primeiro trabalho solo. “Sonata brasileira”, assim, traz quatro obras de compositores brasileiros. É um disco essencialmente contemporâneo (o único autor não mais vivo é Camargo Guarnieri), no qual inclusive duas das obras foram especialmente compostas para o projeto.

Umas delas é a Sonata em lá, que abre o disco, de André Mehmari. A peça, em dois movimentos, trata de forma livre a estrutura da sonata e mistura influências diversas, que resultam numa obra bastante interessante. Vaz Lemes registra, na sequência, a Sonata, de Camargo Guarnieri, obra pouco gravada e executada. Trata-se da única sonata escrita pelo compositor paulista (ele escreveu oito sonatinas), datada de 1972. É uma obra importante do autor: complexa e sofisticada, de grande intensidade emocional, e que traz um Guarnieri, aos 65 anos, em toda sua maturidade composicional. Outra obra encomendada para o projeto – e outra boa surpresa – é a Sonatina – homenagem a Francis Poulenc, do compositor santista Marcelo Amazonas. Encerra o disco a Sonata nº 1, de Edmundo Villani-Côrtes.

A gravação das peças de “Sonata brasileira” foi feita numa igreja em Paris, em 2012, num piano Fazioli (fábrica italiana fundada em 1981 e considerada por muitos a que produz os melhores pianos da atualidade). A excelente qualidade técnica da gravação evidencia as qualidades de Antonio Vaz Lemes como intérprete: maduro, refinado e tecnicamente muito bem preparado para enfrentar os desafios de cada partitura. A tudo isso se soma o bonito acabamento gráfico do disco, o que nos convida a ouvir e reouvir várias vezes estas ótimas sonatas brasileiras.

[O CD Sonata Brasileira de Antonio Vaz Lemes pode ser adquirido na Loja CLÁSSICOS. Clique aqui para saber mais]

 





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

24/2/2018 - Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e Coro Lírico Municipal de São Paulo

Rio de Janeiro:
21/2/2018 - Cecília Guimarães, Maria Helena de Andrade, Fernanda Cruz, Adriana Kellner e Ezequiel Peres - pianos

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046