Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Ópera no cinema: bom, mas muito caro (16/2/2009)
Por Irineu Franco Perpetuo

Almocei tarde, chovia a cântaros, tinha clássico no Morumbi, e o shopping estava previsível e insuportavelmente lotado. Mesmo assim, nesse domingo, dia 15, armei-me de coragem e fui ao Frei Caneca Unibanco Artplex para ver a primeira das transmissões de ópera do Metropolitan de Nova York para São Paulo.

A sala, de 125 lugares, estava lotada, oferecendo a este retardatário a difícil escolha entre sentar no chão ou ir para a primeiríssima fila. Preferi o gargarejo, e não me arrependi: mesmo com a cara colada na tela, a qualidade da imagem da transmissão é superlativa.

Claro que a ópera no cinema nunca vai substituir o aqui e agora das montagens ao vivo –mesmo levando em conta a paupérrima qualidade dos cantores que se têm apresentado na capital paulistana ultimamente.

As transmissões não servem para concorrer, mas sim para estimular o espetáculo ao vivo. E esse Orfeu e Eurídice, de Gluck, foi um belo estímulo, com uma concepção de filmagem que transcende a mera documentação estática da performance – há travellings, closes e tomadas feitas a partir dos bastidores que fornecem uma perspectiva da montagem como seria impossível de experimentar ao vivo.

No aspecto artístico, devo me confessar favoravelmente surpreso em dois pontos. O primeiro é que, sendo um entusiasta da escola de instrumentos “de época”, devo reconhecer que James Levine é um mestre consumado do teatro, e que, mesmo com orquestra e coros “grandes” e “modernos”, conseguiu uma leitura matizada, cheia de contrastes, e marcada por tempos ágeis.

O segundo foi a encenação de Mark Morris, colorida, alegre e com uma incorporação dinâmica da coreografia e da dança ao espetáculo. Os DVDs do Metropolitan que por aí circulam trazem montagens museológicas e fossilizadas. Foi bom ver que a casa, de quando em vez, pode tirar a poeira do conservadorismo “kitsch” e se abrir para concepções mais modernas.

Já o elenco não chegou a me convencer plenamente. Não sei se a culpa era de suas características como cantora, ou do posicionamento do microfone, mas o fato é que eu ouvi muito mais os graves do que os agudos do Orfeu de uma Stephanie Blythe, em outros aspectos, digna de elogio pelo legato, pelo comando do fraseado e pelo senso de estilo. Danielle de Niese é uma Eurídice cuja beleza física avassaladora quase faz esquecer os exageros da caracterização, enquanto Heidi Grant Murphy é um Amore excessivamente amaneirado, em que os trejeitos “cômicos” prejudicam a qualidade da emissão e da linha vocal.

Mesmo assim, a experiência foi bastante agradável, e me deixou com vontade de ver as próximas transmissões do Met para cá. Só o que tende a refrear essa vontade é o preço excessivamente alto do ingresso. R$ 30, francamente, me parece um valor abusivo: é mais do que tem se pagado para ver os espetáculos ao vivo no Municipal de São Paulo. Quem pode falar em “popularização” da ópera cobrando o bilhete de cinema mais caro da cidade?





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

18/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046